02/03/2016 às 10h15min - Atualizada em 02/03/2016 às 10h15min

Produtores de leite da Cooper A1 são atualizados sobre legislação e profissionalização do setor

Assessoria de Imprensa Cooper A1

A Cooper A1 está desenvolvendo mais um projeto que leva informação aos produtores de leite integrados. Desde novembro do ano passado, a equipe técnica da atividade está promovendo um roteiro de reuniões nos municípios para esclarecer sobre a política do setor de leite da Cooper A1, determinações quanto a qualidade do produto e Instrução Normativa (IN 62).

A ação iniciou pelos municípios do Noroeste do Rio Grande do Sul, onde a Cooper A1 possui, atualmente, cerca de 520 produtores que entregam leite. Foram quinze reuniões na região, que encerraram nesta terça-feira, dia 23/2, e que envolveram produtores de 27 municípios com captação de leite. Em março, os encontros iniciarão com cooperados que entregam o alimento em Santa Catarina, atingindo, assim, toda a cadeia produtiva do setor da Cooper A1.

Nesta primeira etapa, as informações foram repassadas pelo gerente da atividade de leite da Cooper A1, Egon Grings, junto com a médica veterinária da cooperativa na região do RS, Jaqueline Gaspary Alves. Os principais assuntos foram: Política do pagamento da tabela e da qualidade; Legislação IN62/ Qualidade do leite; Apresentação do programa “Pequeno Grande Produtor” (que será implantado neste ano); além de apresentadas informações sobre a indústria Aurora e fábrica de rações Nutri A1 para bovinos.

A veterinária Jaqueline, explica que o principal objetivo é a transparência com o associado. “Detalhamos como a Cooper A1 paga o leite, quais as normativas e bonificações, e também esclarecemos sobre o atendimento à legislação IN62”. Outro assunto, foi o lançamento do programa Pequeno Grande Produtor, que buscará, em suma, o incremento do volume de leite entre os associados, através de melhorias em pastagens. “O novo posto de leite da Cooper A1 em Erval Seco, RS, tem capacidade de resfriar 300 mil litros de leite/dia e hoje estamos trabalhando com metade desta capacidade. Com esse programa, buscaremos o incremento da produtividade, auxiliando e mostrando ao produtor que pequenas mudanças fazem a diferença”, diz a veterinária.

O gerente da atividade de leite, Egon Grings, acrescenta: “Nos municípios do RS, fizemos uma campanha para que os produtores que entregam leite, e não são associados, se associem e participem dos benefícios de nossa política do leite, bem como das sobras. Além disso, os associados têm a vantagem da equipe técnica, que acompanha e busca resultados consistentes a médio e longo prazo”. Grings destaca que, nos municípios do Noroeste gaúcho, há boas produtividades, porém muito pode ser melhorado. “Mostramos aos produtores que eles podem se apoiar na Cooper A1 para produzir com mais qualidade e em maior volume, fazendo frente às despesas da atividade e indo de encontro as melhores condições de vida às suas famílias”.

Após a realização das reuniões, o departamento técnico dará continuidade ao programa Escola A1 do Leite e ao novo programa Pequeno Grande Produtor, em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul. Segundo Egon Grings, todos estes esforços conjuntos, de orientação e educação do produtor, bem como treinamentos da equipe técnica, são para tornar a cadeia produtiva de leite da Cooper A1 cada vez mais profissional, pois, a atividade de leite, quando bem desenvolvida, é uma alternativa que traz e estabilidade ao produtor rural.

Link
Tags »
cooper produtores-de-leite profissionalização-do-setor
Notícias Relacionadas »
Comentários »

O que mais te agrada no Site Ciência do Leite?

8.1%
44.6%
17.6%
12.2%
17.6%