29/04/2015 às 07h16min - Atualizada em 29/04/2015 às 07h16min

Método de referência e a análise eletrônica na determinação da contagem de células somáticas.

A contagem de células somáticas no leite bovino é usada como indicadora da qualidade do leite, para controle da mastite e, indiretamente, como indicadora de produção higiênica do leite (Smith, 1996). 

 

O conjunto de células brancas e células epiteliais presentes no leite é denominado células somáticas (Philpot e Nickerson, 1991; Harmon, 1998). As células epiteliais são oriundas da descamação normal do tecido de revestimento e secretor interno da glândula mamária e compreendem de 2% a 25% do total de células. As células brancas, de defesa ou leucócitos, constituem 75% a 98% do total de células e migram do sangue para o úbere no caso de infecção ou agressão (Ribas, 2001).

 

Os níveis de células somáticas no leite bovino podem ser determinados utilizando-se várias técnicas de diagnóstico, que são divididas em métodos diretos e indiretos. Como exemplo dos métodos indiretos podem ser citados o California Mastitis Test (CMT), o Wisconsin Mastitis Test (WMT) e a medida da condutividade elétrica. Como exemplo dos métodos diretos tem-se a contagem de células somáticas por microscopia direta (DMSCC) e os analisadores eletrônicos. 

 

A metodologia de referência para a contagem de células somáticas no leite demanda muito tempo para ser realizada, não sendo o método mais recomendado para monitorar a qualidade do leite de rebanhos com grande número de animais. Os equipamentos eletrônicos são utilizados pela Rede Brasileira de Controle da Qualidade do Leite (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) como alternativa para facilitar o controle leiteiro e a avaliação da qualidade do leite. 

 

Os analisadores eletrônicos baseiam-se em diferentes técnicas de análises, como a contagem de impulsos elétricos gerados pela passagem de partículas entre dois eletrodos, a fluorescência óptica e a citometria de fluxo (Babak e Rysanek, 1999). No princípio da fluorescência óptica, o DNA das células é corado e ao ser estimulado por uma fonte de luz, emite fluorescência. A energia emitida é medida como pulsos elétricos e convertida em quantidade de células somáticas presentes na amostra (Christen, 1993). Na citometria de fluxo as células coradas são carreadas por um líquido sendo excitadas por um feixe de laser. Os núcleos corados emitem, por fluorescência, impulsos luminosos que são ampliados por um foto multiplicador, contados e convertidos em concentração de células somáticas (Cecalait, 1993). 

 

No Brasil, os equipamentos mais utilizados são o Fossomatic1 e o Somacount2. O contador eletrônico Somacount 500 – Bentley tem a capacidade de analisar 500 amostras por hora. Na análise, uma alíquota da amostra é coletada pelo instrumento, aquecida a 67 ºC e levada a uma seringa contendo o corante tampão. Em seguida 50µl da amostra são carreados até o cell, por um líquido carreador (RBS), onde ocorre a incidência de raio laser sobre a amostra, produzindo uma pequena explosão. A luz emitida passa por uma série de filtros ópticos e lentes focalizadas em comprimentos de ondas apropriados e é captada como pulso elétrico, que é ampliado, filtrado eletronicamente e convertido em contagem de células (Bentley Instruments, 1994). 

 

Os objetivos do trabalho foram comparar os métodos de DMSCC e analisador eletrônico, e avaliar a qualidade das amostras-padrão de origens americana e canadense, utilizadas na calibração de analisadores eletrônicos.

 

MATERIAL E MÉTODOS 

 

As contagens de células somáticas por microscopia direta foram realizadas no laboratório de microbiologia do Departamento de Tecnologia e Inspeção de Produtos de Origem Animal da Escola de Veterinária da UFMG. As análises pelo contador eletrônico de células somáticas foram feitas no laboratório de controle leiteiro da Associação Paranaense dos Criadores de Rebanho Bovino da Raça Holandesa, localizado em Curitiba, PR. 

 

Foram analisadas 48 amostras individuais de leite de vacas da raça Holandesa, de várias idades e diferentes estádios de lactação, escolhidas aleatoriamente em um rebanho, e cinco amostras de leite do tanque de resfriamento obtidas no mesmo local. Para a calibração do contador eletrônico de células somáticas foram utilizadas sete partidas de amostras-padrão, quatro fornecidas pelo Dairy Quality Control Inc. (DQCI Service) e três pelo Dairy Herd Anal ysis System (DHAS). A calibração do contador eletrônico Somacount 500 foi realizada conforme procedimento descrito no manual de operação do equipamento (Bentley..., 1994).

 

Após completa homogeneização das amostras coletadas em duplicata, 250ml de leite foram transferidos para um frasco de vidro contendo tabletes do conservante bronopol (2-bromo-2- nitro-1,3-propanodiol) na concentração de 8mg do ingrediente ativo para cada 40ml da amostra. O frasco foi homogeneizado por inversão até completa dissolução do comprimido e as amostras permaneceram sob refrigeração a 4 ºC ± 1 ºC, até o momento das análises, conforme International... (1995). Sub-amostras foram obtidas e transferidas para um frasco de plástico com capacidade de 80ml e acondicionadas em recipiente isotérmico contendo gelo reciclável. A entrega no laboratório de destino, em Curitiba - PR, foi, no máximo, 12 horas após o despacho na companhia aérea. 

 

O método de referência usado para determinar a quantidade de células somáticas presentes no leite foi o da microscopia direta (IDF, 1991; APHA, 1992). Os dados foram analisados por meio de estatísticas descritivas e análise de variância (SPSS 9.0), utilizando a transformação logarítmica das observações, de acordo com recomendação de Sampaio (1998). 

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO 

 

A determinação da contagem de células somáticas das amostras-padrão de origem americana e canadense foi semelhante à fornecida no laudo de análise das amostras (Tab. 1), emitidos pelos laboratórios fornecedores das amostras. A estatística descritiva é apresentada na Tab. 2. 

 

 

 

 

 

 

Conforme Babak e Rysanek (1999), a contagem de células somáticas feita por microscopia direta apresenta valores mais altos quando comparados aos valores obtidos em contadores eletrônicos. Essa diferença não ocorreu neste experimento. 

 

As contagens não foram diferentes (P>0,05) e a correlação entre os dois métodos (r=0,41) foi positiva. Nas análises individuais de leite o desvio-padrão de CCS foi alto (Tab. 3). Os resultados podem ser influenciados pelo procedimento de coleta. Amostras com alta concentração de gordura podem apresentar contagem de células somáticas muito elevadas e vice-versa. 

 

 

Os valores da CCS não seguem uma curva normal, assim, eles foram convertidos em logaritmo. A estatística descritiva é apresentada nas Tab. 3 e 4. 

 

 

Segundo Little (1938), citado por Kitchen (1981), o leite de vacas sadias CCS em torno de 50.000 cel/ml, sendo a contagem até 100.000 cel/ml aceita como normal. Smith (1996) e Brito e Brito (1998) consideram como limite aceitável 200.000 cel/ml, e 300.000 cel/ml são, geralmente, consideradas indicativo da presença de inflamação da glândula mamária. Os valores médios da CCS foram superiores aos aceitos como normais por alguns pesquisadores, porém atendem aos padrões recomendados pela Instrução Normativa No 051/2002 do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, que propôs média de 1.000.000 cel/ml, na primeira fase de implantação do Programa Nacional de Melhoria da Qualidade do Leite (Brasil, 2002). 

 

Muito tem se discutido sobre os padrões de CCS e sua importância para assegurar a higiene e qualidade do leite. Segundo Godkin (2000), ainda não existe regulamentação para a CCS do leite no comércio internacional, entretanto alguns países já adotaram limites máximos de CCS como parte do padrão nacional de regulamentação. No Canadá e nos Estados Unidos os padrões são de, respectivamente, 500.000 cel/ml e 750.000 cel/ml. Na União Européia é de 400.000 cel/ml (Philpot, 1998). No Brasil, em razão das grandes diferenças regionais, para a implantação do Programa Nacional de Melhoria da Qualidade do Leite foram estabelecidos, inicialmente, padrões acima dos limites aceitáveis pelos países acima citados. 

 

CONCLUSÕES 

 

Não houve diferença na CCS entre os métodos de análises, assim os contadores eletrônicos podem ser utilizados para a análise do leite com segurança. As amostras-padrão de origem americana e canadense não diferiam entre si, assim, ambas podem ser utilizadas para a calibração dos contadores eletrônicos. 




Autor: T.M.L. Silveira, L.M. Fonseca, T.B.N. Lago, D.R. Veiga

Referências bibliográficas: 

Publicado em Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.57, n.1, p.128-132. Universidade do Leite


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »