19/05/2014 às 12h51min - Atualizada em 19/05/2014 às 12h51min

O Leite para Prevenção de Doenças - Parte III

 
5.1 Insônia  

 

O leite possui o aminoácido chamado triptofano, que é um indutor do sono em casos de insônias leves e moderadas. O triptofano, é um aminoácido essencial, é o indutor natural do sono. Aumenta a quantidade de serotonina, um sedativo também natural, no cérebro. 

 

É por isso que um dos remédios caseiros para a insônia é um copo de leite 

 

morno, que contém triptofano, com uma colher de chá de mel, um açúcar 

 

simples que facilita a entrada de triptofano no cérebro. Tornado correto o mito de que um copo de leite antes de dormi faz com que a pessoa durma mais tranquilamente. 

 

A indústria inglesa, sabendo disso ainda adicionou ao leite uma substância chamada melatonina, que é produzida pelo nosso organismo para ajudar a indução do sono, tornando o leite um suplemento desta substância. No Reino Unido este leite é comercializado como medicamento de suplementação nutricional, assim como as vitaminas.  

 

5.2 Raquitismo  

 

Raquitismo é uma doença decorrente da mineralização inadequada do osso em crescimento, ou seja, da placa epifisária. Está entre as doenças mais 

 

freqüentes da infância em muitos países em desenvolvimento. A causa predominante é a deficiência de vitamina D, seja por exposição insuficiente à luz solar ou baixa ingestão através da dieta. A deficiência de cálcio na dieta também pode gerar um quadro de raquitismo. 

 

Tanto a vitamina D quanto o cálcio são nutrientes encontrados no leite, podendo este evitar o raquitismo em crianças. Além disso a exposição ao sol torna-se essencial visto que a vitamina D só é absorvida se a pessoa for exposta a este. 

 

5.3 Hemofilia 

 

Em nível de pesquisas o leite poderá ser um aliado aos pacientes hemofílicos. 

 

Os hemofílicos não produzem uma proteína chamada Fator IX e, por 

 

isso, quando se machucam, têm velocidade de coagulação muito mais lenta e são muito mais suscetíveis a hemorragias. 

 

Em uma pesquisa realizada pela parceria entre a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa, Universidade de Brasília – UnB, Escola Paulista de Medicina, da Universidade Federal de São Paulo – Unifesp/EPM e Hospital de Apoio de Brasília está tentando produzir essa proteína ausente nos hemofílicos no leite de vaca. A vantagem principal da pesquisa é a possibilidade de produzir o produto em larga escala. 

 

Além disso, o risco de se adquirir uma doença como AIDS e hepatite fica da, pois não haverá mais as transfusões de sangue.  

 

5.4 Osteoporose  

 

Como já dito anteriormente os ossos são tecidos vivos em constante mudança. Através das fases da vida, os ossos estão sempre sendo formados e destruídos em um processo chamado de re-modelagem óssea. Células chamadas osteoblastos formam osso, enquanto os osteoclastos destroem e reabsorvem osso. Osteoporose, ou osso poroso, é um enfraquecimento dos ossos causado pelo desequilíbrio entre a formação e a destruição óssea. 

As 
pessoas normalmente perdem tecido ósseo no processo normal de envelhecimento devido a um conjunto de fatores que incluem fatores genéticos, sedentarismo, redução hormonal, dentre outros. 

 

O ideal é que se acumule uma boa reserva óssea até os 30 anos, idade a partir da qual o processo de formação óssea começa a diminuir e a dar lugar a destruição óssea. 

 

As principais vítimas da osteoporose são as mulheres pós-menopausa, devido à redução rápida da produção de hormônios (estrogênio). 

 

Prevenir a osteoporose depende de dois fatores: construir ossos fortes durante os primeiros 30 anos de vida e reduzir a perda óssea na vida adulta.  

 

Para isso é essencial o consumo de cálcio durante toda a vida, e este 

 

pode ser proveniente da alimentação, sendo o leite um dos alimentos mais ricos nesse nutriente.  

 

6. Conclusão  

 

Em resumo, o leite deve ser evidenciado como um dos alimentos que mais traz ao ser humano vantagens em seu consumo. Devido a sua grande quantidade de nutrientes e várias versões de apresentação e produtos lácteos, este alimento torna-se essencial para a nutrição humana, visto que leva os nutrientes a diversos tipos de público. 

Além disso, nota-se a importância do 
leite em todas as fases da vida do ser humano, sendo um forte aliado ao desenvolvimento e manutenção da saúde humana, inclusive como preventivo de algumas doenças. 

 

 

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - ASSOCIAÇÃO PARANAENSE DE CRIADORES DE BOVINOS DA RAÇA HOLANDESA  

 

Aluna: Estela A. S. Augustinho 

 

Supervisor: Altair Antonio Valotto 

Local: A.P.C.B.R.H - Orientador: Profª Luiza Efing  

 

Relatório apresentado para o Programa de Aprendizagem de Estágio Supervisionado em Indústria para obtenção de nota para este.

 

 




Autor: Estela A. S. Augustinho

Referências bibliográficas: 

1. Aguiar, C. L., Coro, F. A. G, Pedrão, M.R, Componentes ativos de origem animal, B Ceppa, Vol. 23, n. 2, p. 413-434; Jul. – Dez 2005. 

2. Basu T.K., Dickerson J.W., Vitamins in Human Health and Disease. Guilford, England: CAB International, 1996. 

3. González, F. H. D, Durr, J. W., Fontanelli, R. S. et al, Uso do leite para monitorar a nutrição e metabolismo de vacas leiteiras, UFRGS, Porto Alegre, 2001. 

4. Kapczinski, F., Busnello, J. V, Abreu, M. R. de, Carrão A. D., Aspectos da Fisiologia do Triptofano, Rev. psiquiatr. Clin. Vol. 25 n.4 São Paulo, Jul – Ago, 1998 

5. Marchiori, E., Saúde no Copo, Rev Indústria de Laticínios, Ano 10 n. 62, p. 28-32; Mar-Abr 2006.

6. Margarido, M. A., Bueno, C. R. F., Martins, V. A., Produtos lácteos: algumas considerações nutricionais e econômicas, Inst. de Economia Agrícola; 2004. (Online) Disponível em: www.iea.sp.gov.br/out/verTexto.php?codTexto=1495 

7. MECHICA,José B..Raquitismo e osteomalácia.Arq Bras Endocrinol Metab., São Paulo, v 43, n°6, 1999. 

8. PROUDLOVE, R. K. Os alimentos em debate: uma visão equilibrada. São Paulo: Varela, 1996. 

9. Salgado, J. M., Capacidade intelectual da criança e a boa alimentação, 2008 (Online), Disponível em: 
http://www.sanavita.com.br/padrao.aspx?texto.aspx?idContent=887&idContent Section=405 

10. SGARBIERI, Valdemiro C. Proteínas em alimentos protéicos: propriedades, degradações, modificações. São Paulo: Varela, 1996. 

11. SHILS, Maurice E. Tratado de nutrição moderna na saúde e na doença. São Paulo: Manole, 2003.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »