31/01/2013 às 12h31min - Atualizada em 31/01/2013 às 12h31min

Splash web, o “cartão de visita” do site que vem grudado na embalagem

Ao longo dos últimos duzentos anos, a embalagem veio construindo uma linguagem visual consistente, formada por módulos, faixas, banners, vinhetas e elementos gráficos variados que a ela se incorporaram de forma gradual e progressiva. Estes elementos foram sendo agregados de acordo com a evolução das técnicas de impressão e reprodução da imagem e com o tempo, tornaram-se mais complexos e elaborados.

No princípio as embalagens eram desenhadas por tipógrafos e artistas gráficos que dominavam a arte destas atividades e produziram exemplares de grande beleza com os recursos das artes gráficas de então.

Mas foi apenas no início do século XX que ela ganhou aquele que se tornaria seu elemento visual mais característico e marcante, o “Splash”.

Surgido nas histórias em quadrinhos, o Splash é uma onomatopéia, que significa a palavra que expressa um som. Quando numa cena das histórias em quadrinhos uma arma de fogo disparava, aparecia saindo do cano da arma um “balão” com o contorno pontiagudo, contendo a palavra “BAM”. Isto é uma onomatopéia.

O contorno desse balão, significava que o som era “explosivo” e que a palavra dentro dele expressava um barulho alto.

Os leitores foram se familiarizando com esse tipo de linguagem e em alguns anos havia um vocabulário compreensível por todos os leitores, que permitia que acompanhassem a narrativa contida nos desenhos das histórias em quadrinhos.

Assim, se um balão em vez de ter uma seta indicando a fala do personagem, tivesse bolinhas, isto significava que a pessoa estava pensando...

No início dos anos 50, a embalagem se apropriou dessa solução técnica de linguagem, consolidada pelas HQ, passando a incluir em seu painel frontal chamadas em alto volume que destacavam os atributos considerados atrativos para os consumidores. Assim, a utilização do Splash se tornou cada vez mais freqüente, pois todo produto tem algo que merece ser destacado e os fabricantes logo perceberam que, ao fazer isso, aumentavam as vendas.

O Splash é um grito, semelhante ao que fazem os feirantes quando chamam a atenção das consumidoras gritando para elas as qualidades de suas “laranjas maduras”.

Este GRITO! Tornou se um recurso importante nas embalagens, à medida em que o cenário onde o produto disputa a atenção dos consumidores se tornou mais congestionado e a competição mais acirrada.

Hoje os designers dedicam atenção especial a esse elemento visual, dando-lhe um tratamento mais elaborado, diferente dos tempos iniciais, quando ele era graficamente bem simples e com a forma pontiaguda característica que foi consagrada pelo sabão em pó OMO, cuja embalagem original era simplesmente um Splash, uma explosão de branco sobre um fundo metade vermelho, metade azul.

O trabalho dos designers tem contribuído para tornar o Splash mais eficiente em suas funções, mas ainda encontra dificuldades para produzir o destaque que sejam alcançar devido a limitações técnicas e principalmente pelo fato de que o Splash está impresso no mesmo plano e com as mesmas tintas utilizadas na impressão das demais informações que aparecem na embalagem.

Essa competição inevitável entre os elementos que estão no mesmo ambiente diminui o impacto do Splash e conseqüentemente da informação que se deseja destacar.

O ideal, portanto, seria separar o Splash da impressão geral, produzi-lo num material diferente e ajuda-lo na embalagem em lugares imprevisíveis para gerar mais “ruído” na comunicação.

Estudos recentes, realizados por uma empresa líder mundial em seu setor, mostraram que o Splash auto-adesivo em material diferenciado pode ser destacado de forma absoluta na embalagem, especialmente em frascos que utilizam rótulos, ocupando um lugar isolado na embalagem o que amplifica o destaque que se deseja dar a ele.

Além de destacar o próprio Splash, para que ele possa ser feito em chamar a atenção para a informação desejada, é preciso escolher a informação que realmente merece ser destacada.

Já mencionei várias vezes a importância da conexão da embalagem com a web e chamei a atenção para o fato dos internautas formarem um contingente com cerca de 70 milhões onde se encontra a elite dos consumidores do país. Nenhuma empresa pode mais negligenciar a internet e seu público em sua estratégia de marketing.

A empresa que ainda não tem um site para interagir com os consumidores está defasada em relação a seus concorrentes que têm; da mesma forma ficará o produto que não tiver seu próprio site, pois ele é o endereço onde o consumidor tem a possibilidade de estender seu contato e ampliar sua experiência com os produtos que escolheram.

Assim, recomendamos com ênfase que as empresas observem com atenção o que estão destacando em suas embalagens e procurem formas de destacar ainda melhor aquilo que consideram importante. O site do produto, por exemplo, é uma das informações que merecem mais que um destaque; seu Splash precisa ser um “convite” para o consumidor acessar o site. O site é o endereço do produto e o Splash na embalagem, o seu cartão de visitas.


 


Autor: Fábio Mestriner

Referências bibliográficas: 

Fábio Mestriner: Especialista em Inovação e Inteligência a Embalagem, Professor Coordenador do Núcleo de Estudos da Embalagem da ESPM, Professor do Curso de Pós-Graduação em Engenharia de Embalagem da Escola de Engenharia Mauá, Coordenador do Comitê de Estudos Estratégicos da ABRE. Autor dos livros Design de Embalagem Curso Avançado e Gestão Estratégica de Embalagem. 
E-mail: fabio@mestriner.com.br
Fonte: Revista Embanews – Maio de 2011


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »