15/05/2011 às 07h36min - Atualizada em 15/05/2011 às 07h36min

Avaliação da qualidade do leite, quanto a presença de resíduos de antibióticos

Antônio Xavier de Farias e outros
RESUMO - Este trabalho teve como objetivo verificar a presença de resíduos de antibióticos em amostras de leite cru e após pasteurização, procedentes de duas usinas de beneficiamento de leite pasteurizado. Foram examinadas, no total, 85 amostras, 24 de leite cru e 20 de leite pasteurizado, da Usina “A” e 23 de leite cru e 18 de leite pasteurizado, da Usina “B”. Após as coletas, as amostras foram imediatamente acondicionadas e mantidas sob refrigeração até a chegada ao Laboratório. Usou-se método rápido de detecção de resíduos de antibióticos, sendo as análises realizadas por kit comercial, “kit Charm SL TestTM”, conforme os procedimento padrões, recomendados pelo fabricante. De acordo com os resultados obtidos, 100% das amostras analisadas, de leite cru e pasteurizado, de ambas usinas, foram negativas para presença de resíduos de antibióticos beta-lactâmicos. Palavras-Chave: Leite, resíduos de antibióticos, Charm test.

1. INTRODUÇÃO - O leite de qualidade inferior passou a constituir obstáculo à satisfação de novas exigências do consumidor e retirou da indústria brasileira a capacidade de competir em mercados internacionais até o início dos anos 90 (SUBRISSIA & PONCHIO, 2004). Além disso existe uma preocupação crescente dos consumidores quanto a melhoria da qualidade e sobretudo da segurança alimentar. Inserido neste contexto, a presença de resíduos de antibióticos tem importância significativa na qualidade sanitária do leite (LOPES et al., 2002), em função de algumas reações tóxicas, alérgicas, e/ou supressão do sistema imune que estes compostos podem provocar em alguns indivíduos. O uso indiscriminado de antibióticos em vacas com mastite vem contribuindo para promoção da geração de formas resistentes de microrganismos (MORENO et al., 1997; PEREIRA & SIQUEIRA-JÚNIOR, 1995). No caso de leite cru, essa importância é ainda maior do que no pasteurizado. A presença de antibióticos acima do limite máximo de tolerância aprovado pela Legislação para leite cru, torna-o impróprio para o consumo (BRANDÃO, S.C.C., 2000). Mesmo que sejam detectados resíduos de antibióticos em leite pasteurizado, estes não causarão efeito no número de bactérias resistentes, porque a pasteurização bem realizada e a adoção de Boas Práticas de Fabricação na linha de beneficiamento, do leite e de processamento de subprodutos, reduz o número ou mesmo reduz a níveis aceitáveis quaisquer bactérias, independente de sua resistência a antibióticos, assegurando a qualidade desse produto em relação a este potencial de risco. Entretanto, sob o aspecto econômico, ressaltam-se ainda os prejuízos causados pela interferência destes compostos no desenvolvimento de culturas lácteas, largamente utilizadas nas indústrias de laticínios (VAN SCHOTHORST & NOUWS, 1987). Em levantamentos desenvolvidos, na Região Sudeste do Rio Grande do Sul (PORTO et al., 2002) e Região Metropolitana de Curitiba (LOPES et al., 2002), foram detectados resíduos de antibióticos beta-lactâmicos, respectivamente, em 1,16% e 25,6% das amostras de leite cru examinadas. O objetivo deste trabalho foi fazer um levantamento em duas usinas de beneficiamento de leite pasteurizado, tipo B, na Zona da Mata do Estado de Minas Gerais, para avaliação da qualidade sanitária quanto a presença de resíduos de antibióticos beta-lactâmicos em amostras de leite cru e após a pasteurização. 

2. MATERIAL E MÉTODOS -      Foram coletadas, no período de abril de 2002 a janeiro de 2004, 85 amostras de leite tipo B, 44 amostras na Usina “A” (24 de leite cru e 20 de leite pasteurizado) e 41 amostras na Usina “B” (23 de leite cru e 18 de leite pasteurizado), localizadas na Zona da Mata do Estado de Minas Gerais. As amostras de leite cru foram coletadas diretamente nos tanques de recepção, com capacidade aproximada de 1.700 litros, após homogeneização. Após a coleta, as amostras foram imediatamente acondicionadas em caixas térmica com gelo e mantidas sob refrigeração até a entrada no Laboratório. O mesmo acondicionamento foi dado às amostras de leite após pasteurização (produto final, embalado). Usou-se o “kit Charm SL Test”, seguindo-se os procedimento recomendados pelo fabricante, que constam das seguintes etapas: colocação do dispositivo de teste no bloco aquecedor, a 55oC; levantamento do adesivo e pipetagem de 300 μL da amostra de leite, no dispositivo correspondente; vedamento do dispositivo, com o adesivo; incubação por oito minutos; procedimento da leitura dos resultados. De acordo com o protocolo do fabricante, o teste é positivo quando a linha Teste “T” é mais clara do que a linha Controle “C” e o teste é considerado negativo quando a linha Teste “T” e a linha Controle “C” são da mesma cor, ou a linha “T” é mais escura. Além disso, conforme recomendação, usou-se um padrão destinado à realização de um teste positivo (controle positivo), dissolvendo-se uma pastilha de penicilina G em 5 mL de leite, isento de antibiótico, conforme metodologia recomendada. 

3. RESULTADOS E DISCUSSÃO -  Os resultados obtidos das amostras analisadas, de leite cru e pasteurizado, de ambas usinas, foram negativos. Considerando-se a existência de diferenças individuais de rebanhos, do tipo do manejo e regiões produtoras, pode-se provavelmente, ter uma explicação para os resultados do presente estudo, em relação aos de trabalhos anteriores, onde foram detectados índices de 1,16 % de resíduos de antibióticos (PORTO et al., 2002). Resultados positivos com taxa de ocorrência 25,6% foram obtidos anteriormente (LOPES et al., 2002) em amostras de leite de tanque de propriedades leiteiras. As variações de volume total de onde foram retiradas as alíquotas de leite, nos diferentes estudos são, provavelmente, um fator importante, uma vez que quanto maior for a diluição desses resíduos de antibiótico/volume de leite, mais difícil será sua detecção. Segundo BRANDÃO, 2000 é importante que o leite de conjunto industrial seja monitorado quanto a presença de antibióticos, pois certamente trará mais benefícios para o consumidor. Entretanto, é recomendável, para estudos futuros, a aplicação de testes para detecção de resíduos de antibióticos beta-lactâmicos, por propriedade, para a obtenção de dados mais adequados e/ou mais precisos e que possam direcionar a implementação de Boas Práticas de Produção ao nível do Campo.  Este trabalho faz parte da pesquisa em desenvolvimento "Determinação de perigos restritivos à eficiência do processamento e competitividade do leite pasteurizado, buscando maximizar a segurança e qualidade para o consumidor" financiada pelo Banco Mundial e desenvolvida pela Embrapa Agroindústria de Alimentos que tem como uma de suas metas a geração de informações que conduzam a melhoria da qualidade do leite pasteurizado através da avaliação da ocorrência de perigos microbiológicos e químicos, durante as etapas de processamento e distribuição.

4. CONCLUSÃO - As amostras de leite cru e pasteurizado, do tipo B, dos estabelecimentos beneficiadores examinadas, apresentaram qualidade satisfatória quanto a presença de resíduos de antibióticos beta-lactâmicos.

 

 

 

SUMMARY - The objective of this work was to search for the presence of antibiotic residues in raw and pasteurized milk from two processing industries of pasteurized milk. The total of 85 samples, 24 from raw and 20 from pasteurized milk, from Industry “A”, and 23 from raw and 18 from pasteurized milk from Industry “B” were examined. All milk samples were collected and imediately keept in ice box, under refrigeration, until arrival to the laboratory. A rapid detection method for antibiotc residues was used, and antibiotic tests were performed with a commercial kit ,kit Charm SL TestTM”, by following the manufacter standard recommendations. According to the results obtained, 100% of the milk samples, of raw and pasteurized milk, from either Industry “A” or “B” were negative for the presence of beta-lactam antibiotic residues

Autores: Antônio Xavier de FARIAS1; Maria da Graça Fichel do NASCIMENTO2; Simone Duarte de Oliveira COSTA3; Márcio Vinicius de Carvalho Barros CORTÊS4. 1Biólogo, MSc. Microbiologia Veterinária – Pesquisador II – Embrapa Agroindústria de Alimentos. 2Médica Veterinária, MSc., Ph.D. Microbiologia e Segurança Alimentar, Pesquisador III - Embrapa Agroindústria de Alimentos. 3Engo. de Alimentos, MSc. Engenharia de Alimentos – Assistente de Operações - Embrapa Agroindústria de Alimentos. 4Assistente de Operações I - Embrapa Agroindústria de Alimentos (2002-2003).




Referências bibliográficas: 


BRANDÃO, S.C.C. O futuro da qualidade do leite brasileiro. Industria de Laticínios, nº 25 p.68-70, 2000.
LOPES, M.O.; CARRARO, C.N.M.; VEIGA, D.R.; CANDIDO, L.M.B.; FURTADO, FO.J. Levantamento do uso e detecção de resíduos de antimicrobianos no leite produzido na Região Metropolitana de Curitiba-PR. Revista do Instituto de Laticínios “Cândido Tostes”, v. 57, n. 327, p. 233-235, 2002.
MORENO, G.; LOPES, C.A.M.; FREDERICO, A. Incidence and characterization of mastitic bovine milk antimicrobial multi-drug resistant bacteria in middle west region of São Paulo. Brazil. Braz. J. Vet. Res. Anim. Sci., 14, 207-210, 1997.
PEREIRA, M.S.V.; SIQUEIRA-JÚNIOR, J.P. Antimicrobial drug resistance in Staphylococcus aureus isolated from cattle in Brazil. Letters in Appl. Bacteriol. 20, 391-395, 1995.
PORTO, C.R.; ANSELMO, M.S.; TIMM, C.D.; GONSALES, H.L.; OLIVEIRA, D.S.; ALEXIS, M.A.; ROOS, T.; MORAES, C.M. Ocorrência de resíduos de antibióticos beta-lactâmicos no leite cru entregue à indústria na região sudeste do Rio Grande do Sul. Revista do Instituto de Laticínios “Cândido Tostes”, v. 57, n. 327, p. 313-316, 2002.
SUBRISSIA, G. & PONCHIO, L. Setor lácteo se adapta a novo cenário. Anuário DBO, nº 280, p. 70-71, 2004.
VAN SCHOTHORST, M.; NOUWS, J.F.M. Public health aspects of antibiotic usage in animal husbandry. In: STRAUCH, D. (Ed). Amsterdam: Elsevier Sciences Publishers, p. 265-279, 1987.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »