05/08/2008 às 14h00min - Atualizada em 05/08/2008 às 14h00min

Raça Bhuj

Embora classificada como exótica, a raça Bhuj nem é raça e, muito menos, exótica pura. Foi originada pelo acasalamento, ao acaso, entre animais Nubianos e alguns indivíduos que chegaram da Índia, por ocasião da importação de 1962 (Nelore, Gir e Guzerá). Esses indivíduos foram um presente, de um criador da região de Bhutje. Por não saberem o nome da raça, os animais foram denominados "Bhuj".

Na ilha de Fernando de Noronha, por ocasião do quarentenário de todos os animais importados, os Bhuj misturaram-se com os Nubianos que lá vivem na ilha há longo tempo, na Vila de Quixaba. Também na ilha existem caprinos de pequeno porte, tipo "pé-duro", nas extremidades de Pedra do Bode e Morro Francês. Por ocasião das secas e das enchentes, todos os caprinos da ilha fogem para um local chamado "Ilha dos Ratos", onde são acasalados naturalmente.

A pelagem dos produtos, a princípio, era vermelham mas haviam indivíduos negros, de orelhas sarapintadas. Até um lote de animais brancos chegou a ser obtido! Os sertanejos preferiram a pelagem negra e logo o Bhuj dominou o gosto de grande maioria de selecionadores. A pele ganha bons preços no mercado internacional, segundo afirma um curtume do Ceará. A raça não se presta para a produção de leite, embora um criador da Bahia seja pregador dessa aptidão e venha exibindo animais bons produtores.

O Bhuj, porém, não mereceu a atenção de seus criadores, passou a criar problemas em muitos plantéis: abandono de crias, selvageria declarada, covardia em alguns casos, etc. Logo, o grande porte passou a significar "perigo" para os proprietários, pois o Bhuj chega a investir contra as pessoas, em determinados momentos.

Os planteis vermelhos, que diziam possuir animais excelentes para mestiçagem de carne, sumiram. Não se conhece hoje, nenhum plantel vermelho. Também o único plantel de Bhuj branco encontra-se, desestimulado. Dos plantéis de Bhuj preto 
restam quase uma dezena em todo o Nordeste. O destino do Bhuj talvez venha a ser o mesmo que o da raça Jamnapari. Por outro lado não se verificou, em nenhum momento, um trabalho persistente de seleção para carne, preferindo os criadores aterem-se ás características de grande porte das crias. Mais do que um melhoramento, a raça Bpuj foi uma "moda" que, como tantas outras, está vivendo seus últimos dias, pedindo para ser preservada nas mãos de alguém que tire proveitos das grandes virtudes que apresenta. 

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »