03/04/2021 às 10h18min - Atualizada em 03/04/2021 às 10h18min

Conseleites dão transparência e organização à cadeia produtiva do leite

Uma ferramenta que vem sendo utilizada em seis estados brasileiros na tentativa de estabelecer um diálogo permanente entre produtores de leite através de suas entidades, indústrias de laticínios também representadas por suas entidades foi o tema em foco na manhã desta quarta-feira (14), no 1° Seminário Conseleites, uma iniciativa do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), que teve o objetivo de ouvir experiências dos colegiados já estabelecidos, subsidiar os recém formados e incentivar sua adoção a partir da união de outras entidades do país. O encontro reuniu mais de 50 instituições que têm presença efetiva no setor lácteo, o que deve fomentar o debate sobre o propósito do Conseleite no estabelecimento de referências de valor do produto em uma cadeia produtiva responsável por 34 bilhões de litros de leite por ano, presente em 98% dos municípios brasileiros e com aproximadamente 4 milhões de produtores.

O evento on-line transmitido pelo YouTube foi aberto pela ministra da Agricultura, Tereza Cristina, que manifestou conhecimento sobre o trabalho que vem sendo feito pelo fórum de entidade no sentido de garantir segurança ao produtor em termos, custos de produção e projeção de cenários. "Essa é uma ferramenta para auxiliar toda a cadeia produtiva, mas mais importante ainda é que consegue promover a organização e união das entidades no fortalecimento da atividade", destacou. O secretário de Política Agrícola do Mapa, Cesar Halum, reforçou que o Conseleite tem como diferencial permitir tratar de forma mais incisiva as demandas do setor, principalmente nos quesitos custos de produção e precificação ao produtor. Lembrou ainda que o Mapa está formatando o Plano de Competitividade do Leite, com 25 metas estabelecidas, entre elas, está a consolidação do Conseleite.

A primeira parte da programação foi focada nos métodos utilizados para a formação de preços pelos Conseleites, cada um com suas peculiaridades uma vez que a produção de leite se difere bastante entre as regiões do país. Em comum a quase todos, no entanto, está a participação no colegiado de uma entidade independente, ou seja, que não tem o menor interesse comercial na questão dos preços (sem privilegiar produtor ou indústria). Esse é basicamente o papel técnico que as universidades exercem nos conselhos, a exemplo da UPF, no Rio Grande do Sul, e da Ufpr, no Paraná. "O Conseleite traz informações de forma independentes aos entes da cadeia, não define preços, apenas indica valores de referência que são de livre adesão", pontuou José Roberto Canziani, professor da Ufpr, destacando como ponto positivo seus fundamentos básicos que permitem sua existência até hoje em prol da cadeia produtiva.

De acordo com Vânia Guimarães, também professora da Ufpr e integrante do conselho técnico do Conseleite daquele estado, os Conseleites têm estatuto, regulamento e sem voto de minerva, apenas acordos entre as entidades. "Valores de referência são gerados a partir do faturamento das indústrias participantes, em um modelo técnico-econômico construído em conjunto", reforçou a professora. Segundo ela, os parâmetros utilizados na formação do preço de referência levam em conta a qualidade e o volume do leite entregue. "Valor de referência não é preço mínimo, mas serve de base para a livre negociação", disse.

Marco Antonio Montoya, professor da UPF e responsável pela parte técnica que leva à formação de preços de referência no Conseleite RS, destaca que em sua análise são considerados parâmetros como custos e sistemas de produção e que a divulgação dos preços se dá sobre um amplo mix de produtos. Também indica qual a participação da matéria-prima na composição do produto. "É um trabalho totalmente isento, transparente e que não beneficia a ninguém", sustentou. O coordenador do Conseleite RS, Alexandre Guerra, destacou que o colegiado gaúcho reúne 18 integrantes, entre entidades representativas de produtores, indústria e câmara técnica que é composta por Emater e a UPF, essa responsável pelos cálculos. "Nos reunimos mensalmente em encontros onde os números são abertos, tanto de valor como em volume, fazemos análises de mercado, projeções e tendências com base em cenários. Sendo divulgado somente a circular com os valores de referência por newsletter, redes sociais e aos veículos de comunicação", afirmou. Segundo Guerra, um dos pontos positivos do fórum, além de traçar cenários e estabelecer preços de referência para livre negociação, é a união de diferentes entidades.

Ronei Volpi, presidente do Conseleite PR, lembrou que o trabalho do colegiado do seu estado tem repercussão em programas de governo, caso Leite das Crianças, iniciativa em que o governo compra até 200 mil litros de leite por dia e distribui às famílias paranaenses e utiliza os valores de referência divulgados pelo Conselho. Segundo Volpi, a região Sul foi pioneira na criação dos Conseleites, destacando que a atividade leiteira em Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Paraná cresce acima da média anual de outros estados. "Boa parte dessa evolução diz respeito à perseverança do bom relacionamento entre produtor e indústria".

Para o coordenador geral de Planos e Cenários da SPA/Mapa, Eduardo Mazzoleni, o encontro nacional buscou ampliar a harmonização entre produtores e indústrias e estimular a adesão das entidades na formação de colegiados semelhantes em todo o país. Para o dirigente, que mediou o debate na manhã de hoje, os Conseleites já instalados têm desempenhado um papel importante na consolidação da cadeia láctea e, por isso, são exemplos a serem seguidos para que outras representações possam iniciar processo de implantação em seus estados.

O 1° Seminário Conseleite foi uma iniciativa do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), por meio da Secretaria de Política Agrícola (SPA), Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Leite e Derivados e Embrapa Gado de Leite. 

Fonte: Sindilat/RS


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »