08/07/2019 às 10h46min - Atualizada em 08/07/2019 às 10h46min

Aquisição de leite cresce 3,0% na comparação anual e tem melhor primeiro trimestre desde 1997

Foi o melhor resultado para um primeiro trimestre desde o início da série histórica, em 1997. A produção de ovos de galinha também foi recorde da série histórica para um primeiro tri, com 912,6 milhões de dúzias e alta de 6,0% em relação ao mesmo período de 2018 O abate de suínos também registrou o melhor primeiro trimestre da série histórica, com alta de 5,5% na comparação anual, culminando numa produção maior que o trimestre imediatamente anterior, fato que não acontecia desde o 1° trimestre de 2001. O abate de bovinos cresceu 1,6% na comparação com o 1º tri de 2018, chegando a 7,9 milhões de cabeças. Em sentido oposto, o abate de frangos teve queda de 2,0% na mesma comparação, com 1,45 milhões de cabeças. Já a aquisição de Couro recuou 2,2% em relação ao 1º trimestre de 2018, chegando a 8,5 milhões de peças. O material de apoio das Pesquisas Trimestrais da Pecuária está à direita.

Abate de bovinos cresce 1,6% em relação ao 1º trimestre de 2018

No 1º trimestre de 2019, foram abatidas 7,89 milhões de cabeças de bovinos sob algum tipo de serviço de inspeção sanitária. Essa quantidade foi 1,6% superior à aferida no 1° trimestre de 2018 e 3,6% inferior à registrada no trimestre imediatamente anterior.

O abate de 121,06 mil cabeças de bovinos a mais no 1º trimestre de 2019 em relação ao mesmo período do ano anterior, refletiu os aumentos em 14 das 27 unidades da federação (UFs). Entre aquelas com participação acima de 1,0%, ocorreram variações positivas em: Mato Grosso (+144,40 mil cabeças), Tocantins (+35,59 mil cabeças), Rondônia (+27,87 mil cabeças), Mato Grosso do Sul (+25,59 mil cabeças), Paraná (+11,60 mil cabeças) e Santa Catarina (+3,90 mil cabeças).

As quedas mais intensas ocorreram no Pará (-36,93 mil cabeças), Minas Gerais (-25,53 mil cabeças), Goiás (-23,29 mil cabeças), Rio Grande do Sul (-14,51 mil cabeças), São Paulo 
(-11,23 mil cabeças), Acre (-9,56 mil cabeças), Maranhão (-9,46 mil cabeças) e Bahia (-9,27 mil cabeças).

Entre as UFs, Mato Grosso continua liderando o abate de bovinos, com 17,1% da participação nacional, seguido por Mato Grosso do Sul (11,3%) e São Paulo (9,8%).

Abate de suínos cresce 5,5% e tem o melhor primeiro trimestre desde 2001

No 1º trimestre de 2019, foram abatidas 11,31 milhões de cabeças de suínos, representando aumentos de 5,5% em relação ao mesmo período de 2018 e de 1,1% na comparação com o 4° trimestre de 2018. Desde 2001 a produção em um primeiro trimestre não superava a do trimestre imediatamente anterior (4° trimestre). Este foi o melhor primeiro trimestre do abate de suínos da série histórica, iniciada em 1997. Todos os meses do 1° trimestre de 2019 também mostraram os melhores resultados da série histórica para cada mês, respectivamente.

O abate de 589,01 mil cabeças de suínos a mais no 1º trimestre de 2019, em relação ao mesmo período de 2018, refletiu os aumentos em 20 das 25 UFs.. Os aumentos mais significativos ocorreram em Santa Catarina (+195,14 mil cabeças), Rio Grande do Sul (+104,40 mil cabeças), São Paulo (+83,14 mil cabeças), Paraná (+74,00 mil cabeças), Minas Gerais (+66,05 mil cabeças), Mato Grosso (+64,11 mil cabeças), Goiás (+9,34 mil cabeças) e Mato Grosso do Sul (+5,25 mil cabeças). Neste trimestre não houve quedas em UF’s com participação acima de 1%.

No ranking das UFs, Santa Catarina continua liderando o abate de suínos, com 26,6% da participação nacional, seguido por Paraná (20,7%) e Rio Grande do Sul (18,8%).

Abate de Frangos recua 2,0% em relação ao mesmo período de 2018

No 1º trimestre de 2019, foram abatidas 1,45 bilhão de cabeças de frangos. Houve queda de 2,0% em relação ao mesmo período de 2018 e aumento de 2,3% em relação ao trimestre imediatamente anterior.

O abate de 29,87 milhões de cabeças de frangos a menos, em relação a igual período de 2018, foi determinado por reduções em 11 das 24 UFs que participaram da pesquisa. Entre aquelas com participação acima de 1,0%, houve quedas em São Paulo (-20,46 milhões de cabeças), Santa Catarina (-11,50 milhões de cabeças), Mato Grosso do Sul (-5,56 milhões de cabeças), Mato Grosso (-2,45 milhões de cabeças), Distrito Federal (-996,16 mil cabeças) e Bahia (-865,10 mil cabeças).

Já os aumentos foram em Goiás (+6,70 milhões de cabeças), Paraná (+2,98 milhões de cabeças), Rio Grande do Sul (+2,37 milhões de cabeças), Minas Gerais (+1,46 milhões de cabeças) e Pará (+565,65 mil cabeças).

O Paraná continua liderando o abate de frangos, com 32,3% da produção nacional, seguido por Rio Grande Sul (14,8%) e Santa Catarina (13,9%).

Aquisição de Leite cresce 3,0% e tem melhor primeiro trimestre desde 1997

No 1º trimestre de 2019, a aquisição de leite cru feita pelos estabelecimentos que atuam sob algum tipo de inspeção sanitária (federal, estadual ou municipal) foi de 6,20 bilhões de litros. Houve aumento de 3,0% em relação ao 1° trimestre de 2018, e queda de 7,5% em comparação ao trimestre imediatamente anterior. Essa foi a maior captação para um primeiro trimestre desde 1997.

Em relação ao mesmo período em 2018, o acréscimo de 181,85 milhões de litros de leite captados em nível nacional é proveniente dos aumentos em 19 das 26 UFs participantes da Pesquisa Trimestral do Leite. Os aumentos mais relevantes foram em Goiás (+76,61 milhões de litros), Paraná (+43,71 milhões de litros), Minas Gerais (+42,80 milhões de litros) e Ceará (+13,75 milhões de litros). As reduções mais significativas ocorreram no Rio de Janeiro (-17,67 milhões de litros), São Paulo (-15,58 milhões de litros) e Rio Grande do Sul (-10,24 milhões de litros).

Minas Gerais continuou liderando o ranking nacional de aquisição de leite, com 25,3% da aquisição nacional, seguida do Rio Grande do Sul (13,1%) e do Paraná (12,8%).

Aquisição de Couro recua 2,2% em relação ao 1º trimestre de 2018

No 1º trimestre de 2019, os curtumes investigados pela Pesquisa Trimestral do Couro – aqueles que efetuam curtimento de pelo menos 5 mil unidades inteiras de couro cru bovino por ano – declararam ter recebido 8,49 milhões de peças de couro. Houve reduções em ambas as comparações: de 5,8% em relação ao trimestre imediatamente anterior e de 2,2% frente ao 1° trimestre de 2018.

O comparativo entre os 1os trimestres de 2018 e 2019 indica uma variação negativa de 186,96 mil peças no total adquirido pelos estabelecimentos. Os destaques positivos em números absolutos ficaram com Tocantins (+101,60 mil peças), Minas Gerais (+80,15 mil peças), Paraná (+38,61 mil peças) e Rondônia (+27,08 mil peças).

As maiores reduções foram em São Paulo (-117,19 mil peças), Goiás (-81,78 mil peças), Rio Grande do Sul (-81,22 mil peças), Pará (-51,54 mil peças), Mato Grosso (-26,37 mil peças) e Mato Grosso do Sul (-3,73 mil peças).

Mato Grosso continua a liderar a relação de Unidades da Federação que recebem peças de couro cru para processamento, com 16,1% da participação nacional, seguido por Mato Grosso do Sul (13,7%) e São Paulo (11,3%).

Produção de Ovos de Galinha cresce 6,0% e tem melhor 1º tri desde 1997

Foram produzidas 912,64 milhões de dúzias de ovos de galinha no 1º trimestre de 2019. Isso correspondeu a um aumento de 6,0% acima do 1º trimestre de 2018 e uma queda de 3,1% em relação ao trimestre imediatamente anterior. Apesar do recuo na comparação trimestral, essa foi a maior produção em um primeiro trimestre, desde 1997.

A produção de 51,57 milhões de dúzias de ovos a mais, em nível nacional, no comparativo entre os primeiros trimestres 2019/2018, foi impulsionada por aumentos em 21 das 26 UFs com granjas enquadradas no universo da pesquisa.

Os maiores aumentos foram no Ceará (+9,64 milhões de dúzias), Espírito Santo (+8,78 milhões de dúzias) e Paraná (+7,90 milhões de dúzias).

São Paulo seguiu como maior produtor de ovos dentre as Unidades da Federação no 1º trimestre de 2019, agora com 27,9% da produção nacional, seguido pelo Espírito Santo (9,9%), Minas Gerais (9,4%) e Paraná (9,1%).

Fonte: IBGE

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »