27/07/2016 às 13h43min - Atualizada em 27/07/2016 às 13h43min

Empresas de lácteos encolheram as maiores em lácteos

O dólar forte e a volatilidade cambial, aliados aos preços baixos das commodities lácteas no mercado internacional, afetaram de forma dramática o faturamento da maior parte das companhias do segmento no mundo em 2015, de acordo com o banco holandês Rabobank.

O último levantamento “Global Dairy Top 20”, realizado pelo banco e divulgado ontem, mostra que a suíça Nestlé se manteve na liderança do ranking das 20 maiores do segmento em 2015, considerando o faturamento. Mas as receitas em dólar da empresa caíram, saindo de US$ 27,8 bilhões em 2014 para US$ 25 bilhões ano passado. A francesa Lactalis se consolidou na segunda posição da lista, mas também perdeu faturamento. Suas receitas haviam alcançado US$ 19,5 bilhões em 2014 e caíram para US$ 18,3 bilhões em 2015. Em terceiro no ranking, a francesa Danone também registrou queda nas receitas, que saíram de US$ 19,5 bilhões em 2014 para US$ 16,7 bilhões ano passado.

O ano de 2015 foi “difícil para a maioria das empresas do setor”, avalia o banco holandês. Isso estimulou fusões e aquisições, uma vez que as empresas buscam valor adicional em seus mercados domésticos e novas oportunidades em outros locais, destaca o banco em relatório. Como reflexo desse ambiente difícil, o faturamento somado das 20 maiores empresas de lácteos encolheu 13% em 2015, para US$ 194 milhões, calcula o Rabobank. O banco destaca ainda que a neozelandesa Fonterra perdeu a quarta colocação no ranking para a americana Dairy Farmers of America (DFA). A DFA subiu na lista após adquirir o controle da DairiConcepts, joint venture que operava anteriormente com a Fonterra (ver gráfico). Segundo o banco, uma série de fatores explica a queda da Fonterra. A cooperativa sofreu mais que a maioria das empresas do ramo devido ao recuo dos preços dos lácteos. E, além de ter saído da DairiConcepts, vendeu seu negócio de iogurtes e sobremesas lácteas na Austrália à Lactalis. O banco também ressalta que, de uma maneira geral, as empresas chinesas, que vinham se destacando no ranking, cresceram a uma taxa menos acelerada em 2015. Nesse caso, o faturamento foi impactado pela desvalorização do yuan. Mas uma dessas companhias, a Yili, registrou crescimento de 8% e conseguiu subir da 10ª posição em 2014 para o oitavo lugar ano passado. Segundo o banco, o segmento registrou 96 operações de fusões e aquisições em 2015 ­ haviam sido 98 em 2014. E as três maiores companhias do ranking se movimentaram para ampliar suas receitas. O relatório destaca também a entrada de uma nova empresa no “Global Dairy Top 20”: a canadense Agropur, após a compra da Davisco em 2014 e uma “sólida performance” no ano. A chegada da Agropur à 20ª posição tirou a americana Land O’Lakes da lista. Outra conclusão do levantamento do Rabobank é que a desaceleração da China tem levado as companhias globais do segmento a buscar novos mercados para se desenvolver. Um efeito disso foi que a África entrou no mapa mundial dos lácteos. A Danone, por exemplo, fez quatro negócios no continente de junho de 2015 até agora. Segundo o banco, em 2015, houve 14 negócios envolvendo o segmento na África, e mais quatro até agora este ano. Em 2014, haviam ocorrido apenas três operações no continente.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »