27/07/2016 às 12h33min - Atualizada em 27/07/2016 às 12h33min

InovaLácteos 2016 estabelece ponte entre indústria e jovens inovadores

A Vitrine de Inovação do InovaLácteos 2016, ocorre dia 20/07 de 9h:30 a 17h:30, no Instituto de Laticínios Cândido Tostes, no contexto da tradicional Semana Nacional do Laticinista, em sua 37ª edição. Em parceria com o SIMI, Sistema Mineiro de Inovação da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (SECTES), e o ILCT/Epamig com o apoio financeiro da Fapemig, o Polo do Leite realiza a segunda edição do InovaLácteos, o programa de incentivo a inovações no setor lácteo.

 

O propósito do evento é preparar os autores para a apresentação de suas tecnologias no Showcase. Neste ano as tecnologias atendem a quatro demandas de novos produtos e processos: Saúde & Bem-Estar, Conveniência & Praticidade, Identidade & Qualidade e Detecção de Resíduos e Adulterantes.

O evento possui uma dinâmica particular. Na parte da manhã do dia 20/07 serão realizadas três palestras de 45 minutos, sobre Inovação, Modelo de Negócios e Apresentação Pitch. Na parte da tarde, mesas de mentorias (Investimentos, Modelo de Negócios, Marketing, Propriedade Intelectual e Apresentação Pitch), são formadas e os mentores reúnem-se por vinte minutos com cada grupo de autores.

O Showcase com as apresentações das tecnologias selecionadas ocorre dia 21/07 também no Instituto de Laticínios Cândido Tostes às 17h. A seleção das tecnologias foi feita por um grupo de consultores ad hoc, cada qual com seu próprio critério de avaliação. As mais pontuadas são as que seguem.

Tecnologias selecionadas no Inovalácteos 2016

- Produtos lácteos com compostos bioativoas

Enriquecimento de queijo minas frescal e iogurte com produtos de origem vegetal ricos em polifenóis. Estes compostos possuem propriedades farmacológicas importantes podendo atuar na prevenção de diversas doenças.

- Sorvete Funcional

Sorvete com alto teor proteico e baixo teor de açúcares e gorduras, constituindo-se em uma boa fonte de fibras e apresentando propriedades prebióticas.

- Produto lácteo com elevado teor de TGF beta.

O fator de crescimento TGF-beta pode contribuir para a regeneração de tecidos, como a mucosa intestinal. Com a utilização de diversos tratamentos físicos procura se otimizar a ativação deste fator de crescimento e produzir um produto lácteo concentrado em TGF-beta, eficaz na aceleração da cicatrização e tratamento de inflamações e feridas gastrointestinais.

- Modificações de proteínas lácteas

Modificações químicas e/ou enzimáticas de proteínas lácteas para aumentar sua resistência com potencial de aplicação nas indústrias de alimentos, farmacêutica e de ingredientes.

- Fermento lácteo por tecnologia alternativa

Desenvolvimento de fermentos lácteos a partir de componentes do leite, com baixo custo e larga escala, apresentando alta estabilidade à temperatura ambiente durante a estocagem, devido à baixa umidade e à baixa atividade de água no produto final.

- Doce de leite probiótico

Por meio da incorporação de tecnologias adequadas na desidratação do doce de leite, pode se manter a viabilidade de microrganismos probióticos em um produto de apresentação diferenciada pelo seu formato, de fácil manuseio e praticidade de armazenamento.

- Evaporador multimonitorado

O multimonitoramento de evaporadores permite total controle em relação aos parâmetros de processo inerentes à concentração, fundamentando a pesquisa e o desenvolvimento de novos produtos lácteos.

- Sensor remoto para detecção de resíduos

Utilizando fontes ópticas, detectores, filtros, acopladores e fibras ópticas obteve se resultados altamente promissores na análise da qualidade do leite. Os sensores ópticos, especificamente a fibra óptica, apresentam inúmeras vantagens em relação aos sensores convencionais.

- Detecção de adulteração de leite de cabra

A tecnologia consiste de técnica de espectroscopia ultravioleta pulsada para diferenciar e quantificar misturas de leite de cabra com leite de vaca. O processo é bastante rápido, sem necessidade de tratamento prévio das amostras, utilizando pequenas quantidades de leite fluido ou mesmo o leite em pó. A tecnologia permite o desenvolvimento de equipamento de pequeno porte e portátil.

- Detecção de resíduos de antimicrobianos no leite

A tecnologia consiste no uso de espectroscopia infravermelha para a detecção e quantificação de resíduos de antimicrobianos e antiinflamatórios em leite. Os principais são Diclofenaco Sódico, Enrofloxacino, Penicilina G, Terramicina, entre outros, com percentuais abaixo de 1ppm.

Fonte: Agência Polo do Leite


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »