25/05/2016 às 10h49min - Atualizada em 25/05/2016 às 10h49min

Preço do leite sobe em Jaú e afeta valor de derivados

Preço do leite sobe em Jaú e afeta valor de derivados

Em um mês caixinha do longa vida tem alta superior a 20% para o consumidor
O consumidor mais atento às variações de preços de produtos em supermercados costuma dar atenção especial aos itens que sofrem maiores oscilações em curto espaço de tempo. Um desses produtos é o leite de caixinha. Em um mês a majoração foi superior a 20%.
E como o leite é matéria-prima para a fabricação de outros produtos, como queijos e iogurtes, é natural que também subam de preço. Para o representante comercial Neurivaldo Sangaletti, 62 anos, não é só o leite e os derivados que estão pesando mais no orçamento.
“Há vários itens custando mais”, constata. “Mas como são gêneros alimentícios, não há outra opção senão comprar.” Há quem opte pela marca e há pessoas que vão pelo preço (leia texto).
Atualmente está difícil para o comprador encontrar uma caixinha de leite a menos de R$ 3. Na Rede Jaú Serve de Supermercados, por exemplo, no início de maio o produto custava entre R$ 2,35 e 2,59. Hoje varia de R$ 2,89 a R$ 3,29. No intervalo de 30 dias a variação ficou acima de 20%.
Produtos à base de leite como queijos, manteiga e requeijão foram reajustados entre 20% e 30%. Os iogurtes tiveram variações de preço entre 8% e 15%, conforme a marca e a quantidade.

Dólar

O gerente-geral dos Supermercados Furlanetti, Lucas Lopes Furlanetti, diz que a alegação da indústria para a majoração de preços é o aumento do custo de produção para o pecuarista e o baixo volume de produção.
O diretor comercial da Rede Jaú Serve, Rafael Oliveira Gonçalves, aponta que o consumo de leite no Brasil está muito acima da quantidade produzida atualmente.
Outros problemas são a falta de investimento na produção e a disparada do dólar. Insumos como soja e milho, que compõem a ração para o gado leiteiro, tiveram alta de preços com variações entre 30% a 50%, diminuindo o investimento do produtor na compra da ração para o gado, com consequente diminuição da produção.
Levantamento do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) indica que em um ano (de maio de 2015 a maio deste ano) a alta foi de 18% no preço do leite pago ao produtor (veja quadro).
Pesquisadores do Cepea explicam que a baixa produção no campo, por causa do período de entressafra, segue impulsionando os valores de leite.
Dentro da porteira, os elevados custos de produção, geadas no Sul do País e a tendência de migração de produtores de leite para o corte seguem desestimulando a produção. A expectativa é que as chuvas das últimas semanas melhorem as pastagens e resultem em queda no preço do produto.

http://www.comerciodojahu.com.br


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »