16/05/2016 às 08h21min - Atualizada em 16/05/2016 às 08h21min

Novas regras beneficiam a produção nacional de queijos artesanais

Relatório do Sistema de Inteligência Setorial (SIS) do Sebrae destaca como produtores brasileiros podem investir neste mercado, que está em crescimento

A aceleração da indústria de alimentos e o crescimento do consumo de comidas étnicas - como a italiana e a mexicana - são dois fatores que impulsionam o mercado global de queijos nos próximos anos, segundo levantamento do Transparency Market Research. De acordo com a pesquisa, o mercado global - que teve receita de US$ 72,4 bilhões em 2012 - deve crescer e fechar o ano de 2019 com um faturamento total de US$ 118,4 bilhões. Isso traz ótimas perspectivas para países produtores, em especial Brasil, Argentina e Itália, aponta o relatório do Sistema de Inteligência Setorial (SIS) do Sebrae voltado aos produtores de leite e derivados. https://sis.sebrae-sc.com.br/produtos/relatorios-de-inteligencia/producao-brasileira-do-queijo-artesanal/572b50b63780ae1900bb6f8b

O relatório de inteligência destaca aos produtores nacionais as oportunidades para comercializar queijos artesanais neste mercado em ascensão. A natureza perecível dos queijos e as regras impostas para a produção do governo são algumas das principais barreiras para quem atua no setor. Mas uma mudança na legislação feita pelo governo federal permite aos produtores comercializar queijos artesanais para serem vendidos em lojas especializadas em diferentes locais do Brasil. A Instrução Normativa número 57 anunciada em 2011, prevê a possibilidade de maturação de queijos por um tempo inferior a 60 dias e define alguns requisitos para sua produção, garantindo a qualidade do produto e atendendo aos aspectos de sanidade e saúde pública. No Brasil, os principais tipos de queijo colonial são: Serrano, Colonial, Canastra, Araxá, Serro, Coalho e Marajó.

Para os produtores que se interessam em investir no mercado de queijos artesanais, o relatório do SIS/Sebrae destaca alguns aspectos - destacados na pesquisa Brasil Food Trends 2020 - sobre tendências de comportamento para consumo de alimentos que podem adequar o produto à demanda do mercado, como:

  • Conveniência e praticidade é o principal atributo que os consumidores de queijo avaliam. Mais de um terço dos entrevistados prefere embalagens individuais, com pequenas porções, para fazer lanches rápidos, sem necessidade de uso de utensílios.
  • Sensorialidade e prazer é visto por 23% dos entrevistados como um fator importante de consumo. Sabores exóticos, singulares, que gerem uma boa experiência ao consumidor, são uma boa dica aos empreendedores.
  • Confiabilidade e qualidade é outro atributo fundamental. Portanto, é necessário se preocupar em oferecer produtos de boa procedência, com rótulos informativos e rastreabilidade de origem.

Um exemplo empreendedor nesta área é o produtor Guilherme Ferreira, da cidade de São Roque de Minas, que conquistou a medalha de prata no Salão Mundial do Queijo (Du Fromage de Tours), na França, se destacando entre 600 participantes de 23 países. Seu queijo, do tipo canastra, possuía 30 dias de maturação, um prazo curto que, na visão do produtor, foi o diferencial competitivo que deu o sabor ideal e levou à premiação.

Fonte: Dialetto


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »