20/07/2015 às 12h56min - Atualizada em 20/07/2015 às 12h56min

Campus do Sertão impulsionará agropecuária da região norte

Governo do Estado incentiva expansão do ensino superior no interior com doação de terreno, transporte escolar e atraindo recursos federais

O Campus do Sertão da Universidade Federal de Sergipe (UFS) vai impulsionar a agropecuária da região, predominante na produção de leite e milho. Isso será possível porque o novo polo da instituição de ensino superior ofertará os cursos de Agronomia, Medicina Veterinária, Zootecnia e de Agroindústria, e terá um modelo de ensino diferenciado, baseado nas experiências de campo e integração entre universidade e cadeia produtiva local. Para colaborar com a implantação do campus, o Governo do Estado providencia a transferência da Fazenda Modelo, área de aproximadamente 100 tarefas onde será montada a estrutura de aprendizagem. Além disso, o Governo está tentando viabilizar uma emenda parlamentar de R$ 19 milhões para construção do Campus do Sertão.

Com a implantação do campus da UFS no Sertão, a expectativa é que as atividades agropecuárias ganhem ainda mais força no interior. O polo terá como foco a agricultura familiar, com um modelo de ensino diferenciado, interagindo com a realidade local. Em seu primeiro ano de funcionamento, o Campus de Nossa Senhora da Glória receberá 200 estudantes distribuídos entre os quatro cursos.

Região destaque na produção leiteira em Sergipe, o Alto Sertão, segundo estimativas do IBGE, deve atingir o índice de 184 milhões de litros, superando em 9,3% a produção de 2014. Este é um montante relacionado à cerca de 70% da população, que atua no município de Glória e nas áreas vizinhas, e que será atingida direta e indiretamente pelo novo campus da UFS. De acordo com o reitor, Angelo Antoniolli, os projetos de integração entre a universidade e a cadeia produtiva local fazem parte da metodologia de ensino.

De acordo com o reitor, a parceria entre Governo do Estado e a Universidade Federal de Sergipe é fundamental. “O governo funciona como articulador da UFS, que não pode viver isoladamente, sem parceria do poder público. E o Estado foi um dos principais responsáveis pela criação desse Campus do Sertão”, afirmou Antoniolli.

A produção de milho sergipana também deve ser beneficiada pela chegada do campus, visto que o objetivo dos cursos é o desenvolvimento da região dentro do arranjo produtivo local, segundo conta Antoniolli. A ideia é ampliar ainda mais a produção dos grãos no e stado, que já é considerado o segundo maior produtor de milho do Nordeste em 2014. Para este ano, Sergipe deve alcançar neste ano a cifra de mais de 800 mil toneladas de milho.

“Os municípios produtores de milho têm uma realidade econômica e social diferente atualmente. Temos uma circulação maior de renda e já registramos aumento na compra de terrenos, construção de casas e consumo de implementos agrícolas. Com o Campus do Sertão, que dialoga com a nova realidade agrícola de Sergipe, com certeza avançaremos ainda mais na produtividade”, destacou o secretário de Estado da Agricultura, Esmeraldo Leal.

Apesar de as aulas ainda não terem iniciado em Glória, os 13 docentes selecionados para lecionar no campus já estão atuando na região. A informação é do reitor da UFS, que explica que os profissionais já residem na área do Alto Sertão e estão em processo de capacitação. “Solicitamos apoio do reitor para que professores da UFS pudessem nos acompanhar no campo e em nosso dia-a-dia”, comentou o secretário de Agricultura de Glória, Dijalcir Ferreira de Aragão. Para ele, o Campus do Sertão no município é mais que bem vindo. “Este polo foi o maior presente que Glória e o Alto Sertão poderiam ganhar. Estamos com um sorriso de orelha a orelha”, salientou.

A oportunidade de beneficiar os estudantes que cursaram o ensino médio no sertão também foi destacada pelo secretário municipal de Agricultura. Das 200 vagas do campus, 10% estão sendo destinadas para os alunos da área como um bônus regional. “Isso vai proporcionar que o jovem fique por aqui mesmo. Já se criou um clima de euforia na região, pois os estudantes não vão precisar mais ir para Aracaju. Eles poderão ficar na própria cidade e se formar nas áreas de força daqui, a exemplo da produção do leite, Agronomia, Zootecnia e Veterinária. Os quatro cursos ofertados vão melhorar a vida dos jovens e de seus pais”, disse Dijalcir.

O Campus do Sertão teve aproximadamente 1.500 candidatos inscritos, segundo Antoniolli, que concorrerão com a nota do Enem 2014 e ingressarão no período letivo 2015.2, após o término da greve. O quinto polo da UFS em Sergipe será instalado, inicialmente, no espaço onde funciona o prédio de Educação a Distância (EAD), que está sendo ampliado para abrigar a universidade.

Campus de Lagarto

O campus de Lagarto também recebe investimentos do Governo do Estado. No mês de junho deste ano foi assinado um convênio para cessão de dois ônibus à Universidade Federal de Sergipe. Os veículos vão beneficiar não só os estudantes da rede estadual, como a população, pois vão transportar alunos e professores dos cursos de Medicina, Odontologia, Enfermagem, Farmácia, Nutrição, Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional para desenvolver atividades nas áreas da educação básica e saúde nas escolas estaduais e unidades de saúde da região. Essa é uma das iniciativas do processo de expansão e interiorização da UFS, corroborado pelo Governo do Estado através de investimento total de R$ R$ 366.780.

De acordo com o secretário de educação, Jorge Carvalho, os estudantes da UFS podem colocar em prática seus conhecimentos nas escolas públicas estaduais. “Esse é um passo gigantesco que se dá em Lagarto e demonstra o cuidado que o governo tem ao estabelecer esse tipo de parceria, para cuidar melhor da população local, dos alunos da educação básica e de colaborar com boa formação de qualidade do ensino superior”, acrescentou.

Além da assinatura da cessão dos veículos, o Governo do Estado permitiu o uso do prédio utilizado pelo pré-universitário da Seed, em Lagarto, pela Universidade Federal de Sergipe.

O reitor da UFS, Angelo Antoniolli, destacou a importância da integração e da ação do governo, que objetiva promover a saúde na região. “O fenômeno que está acontecendo em Lagarto é ímpar no país. Estou em Sergipe há 22 anos e nunca vi uma integração tão harmoniosa. Essa percepção do governo em transferir esses ônibus é importante porque temos em Lagarto um campus de saúde, que é pedagogicamente todo integrado ao Sistema Único de Saúde. Esses ônibus servirão para levar os nossos alunos e professores para que possam prestar serviços de saúde de qualidade na formação de nossos alunos, na rede pública de todo o interior da região centro-sul. É o Estado percebendo a importância que tem esse modelo pedagógico para a adequação do SUS. É a UFS cumprindo seu papel de formação dentro da rede pública com o apoio do Estado”, relatou.

Para a instalação do campus de Lagarto, o Governo de Sergipe promoveu ainda a reforma do Colégio Abelardo Romero Dantas, cedido para funcionamento provisório do polo. Além deste investimento, de R$ 3.716.725,08, quatro áreas foram doadas para construção do campus. Com isso, foram destinados mais R$ 1.949.708,03.

Além disso, unidades de saúde em Lagarto foram disponibilizadas: Hospital Regional de Lagarto, duas Clínicas de Saúde da Família, Farmácia Popular e estrutura do Samu. As unidades, implantadas entre 2007 e 2010, perfizeram um investimento de R$ 23.797.306,13.

A Lei nº 7.916/2014 autorizou a transferência do Hospital Regional de Lagarto à Universidade Federal de Sergipe. A federalização do Hospital Regional de Lagarto é um passo importante para que a unidade de saúde tenha condições ampliar seus serviços, já que o hospital atenderá casos de alta complexidade, realizando diversos tipos de cirurgias e serviços. Após a incorporação, o hospital passará a ser administrado pela Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), que assumirá a contratação dos profissionais, custeio, manutenção e futuras ampliações.

Interiorização

Mais ações em prol do processo de interiorização da Universidade Federal de Sergipe já ocorreram. Intervenções em Laranjeiras e Lagarto marcam as ações do Estado em prol do ensino público superior.

Em Laranjeiras, o Governo do Estado, em parceria com o Ministério da Cultura, restaurou o Quarteirão dos Trapiches, onde funcionam os cursos da Arqueologia, Arquitetura e Urbanismo, Dança, Museologia e Teatro. A intervenção do conjunto arquitetônico foi realizada através do Programa Monumenta, do Iphan, por meio de um investimento de R$ 3.035.261,37.

Ascom AAN


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »