15/12/2014 às 09h09min - Atualizada em 15/12/2014 às 09h09min

Governador assina Instrução Normativa que regulamenta a produção do queijo artesanal serrano

Emater/RS-Ascar

O governador Tarso Genro assinou a Instrução Normativa que regulamenta a produção do queijo artesanal serrano. O ato foi realizado no Palácio Piratini e contará com a presença de representantes da Emater/RS-Ascar, Secretaria de Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo (SDR) e da Agricultura, Pecuária e Agronegócio (Seapa) e Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Conforme o gerente técnico adjunto da Emater/RS-Ascar, Renato Cougo dos Santos, a medida aprova o regulamento técnico de identidade e qualidade do queijo serrano, que leva em consideração as características físico-químicas e o modo tradicional de preparo deste produto. ?Destaca-se a manutenção do processamento artesanal, respeitando-se as condições de produção a partir do leite cru, sem a necessidade de pasteurização?, frisa Santos.

O trabalho para regulamentar a produção do queijo artesanal serrano teve início há cerca de dois anos, quando começaram as discussões acerca da Portaria que criou as normas para o registro das microqueijarias. ?A partir disso, passou a se debater o reconhecimento do modo de produção destes queijos?, explica o gerente técnico adjunto da Emater/RS-Ascar.

O Queijo Artesanal Serrano

O Queijo Artesanal Serrano, ou simplesmente Queijo Serrano, é um produto típico e exclusivo dos Campos de Altitude do Rio Grande do Sul (Campos de Cima da Serra) e de Santa Catarina (Planalto Sul-catarinense). É produzido nessas regiões há cerca de 200 anos, através da adaptação de receita de origem portuguesa, passada de geração para geração.

É produzido em pequena escala, com leite cru, nas próprias fazendas, na sua maioria por pecuaristas familiares que desenvolvem sua atividade de forma extensiva, com pequeno uso de insumos externos à propriedade. O sistema de produção é baseado nos campos nativos, preservando o ambiente, a beleza das paisagens e a cultura do homem serrano.

Apenas no Rio Grande do Sul, estima-se em 1.500 o número de famílias produtoras desse queijo. Apesar de sua importância, a produção ocorre geralmente na informalidade, colocando tanto os produtores quanto os consumidores em situação de insegurança.

 


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »