07/03/2014 às 15h55min - Atualizada em 07/03/2014 às 15h55min

Balde Cheio avalia andamento em cidades com estiagem

Agência Sebrae de Notícias

O cenário de escassez de água e falta de chuvas prejudicou a bacia leiteira do Rio Grande do Norte. Na região do Alto Oeste do estado, bovinocultores ainda enfrentam dificuldades e veem a produção de leite declinar. Para constatar a situação, a equipe técnica do projeto Balde Cheio, desenvolvido pelo Sebrae no Rio Grande do Norte, Banco do Nordeste do Brasil (BNB) e prefeituras, visitou produtores de Pau dos Ferros.

O intuito foi avaliar o andamento do projeto frente à estiagem. Desenvolvido há três anos, a iniciativa beneficia mais de 200 criadores de gado em diversas cidades potiguares.

Os gestores do projeto, junto com a superintendência do Banco do Nordeste e produtores rurais, verificaram as propriedades de produção leiteira para acompanhar o desenvolvimento da ação. O momento enfrentado pelos produtores é de dificuldade em função da falta de água, que reduz a oferta de alimento para o rebanho. 

O reservatório da cidade de Pau dos Ferros está com o nível abaixo do limite. O município chega a vender 15,2 mil litros de leite por mês, gerando uma receita para a cidade de R$ 21,3 mil. Em Pau dos Ferros, participam do programa 15 produtores leiteiros, dos quais 13 estão ativos.

O secretário de Desenvolvimento Rural de Pau dos Ferros, Luiz Antônio Rêgo, acompanhou a comitiva. “Os benefícios trazidos pelo programa influenciaram tanto os produtores quanto a cidade como um todo. Os produtores foram contemplados com melhorias e aumento de produção, enquanto a população ganhou um leite saboroso e bem cuidado”.

As consultorias do Balde Cheio são voltadas para a gestão da produção. Os técnicos avaliam todo o contexto de solo e do animal e, a partir daí, indicam soluções personalizadas para as propriedades. De acordo com o zootecnista Thiago Palmeira, que é coordenador local do projeto, os produtores estão sendo aconselhados a permaneceram apenas com as matrizes produtoras de leite para evitar despesas e gastos. “Repassamos conhecimento para que o produtor saiba administrar sua propriedade e lidar com a alimentação do animal. Assim, ele aprenderá a produzir leite e também a lidar com o tratamento do solo para que a base de alimentação do animal não seja só ração. As propriedades do leite aumentam de acordo com a alimentação do animal”, ressalta.

Segundo o gestor do Projeto Balde Cheio no Sebrae no Rio Grande do Norte, Acácio Brito, essa visita tem como pretensão fortalecer os vínculos com os parceiros produtores e financiadores. “Pretendemos sempre trabalhar com gente satisfeita”, enfatizou. Além de Pau dos Ferros, a equipe de técnicos visitou a cidade de Doutor Severiano, que também é contemplada pelo projeto Balde Cheio. A intenção era oferecer assistência aos produtores daquela cidade.

O projeto Balde Cheio vem sendo desenvolvido pelo Sebrae em parceria do Banco do Nordeste e das prefeituras dos municípios integrantes. A iniciativa é voltada para a gestão da propriedade, é desenvolvida há quase três anos e beneficia 218 produtores de 20 municípios. Esses produtores são acompanhados por seis técnicos e um coordenador. O programa vai bem além da produção da produção do leite, passando por várias fases, até chegar à venda.

 


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »