12/12/2012 às 12h31min - Atualizada em 12/12/2012 às 12h31min

Sinop sediou 8º módulo da capacitação continuada de técnicos da cadeia produtiva do leite

Embrapa Agrossilvipastoril

Dobrar a produção de leite em menos de um ano sem aumentar o rebanho. Meta que parece distante para muitos produtores virou realidade para Irineu Fath, de Santa Carmem (MT). Para alcançar este resultado bastou a adoção de algumas tecnologias e a mudança de procedimentos.

A propriedade dele é uma das Unidades de Referência Tecnológica acompanhadas por agentes de assistência técnica e extensão rural que participam da Capacitação Continuada de Técnicos da Cadeia Produtiva do Leite, promovida pela Embrapa Agrossilvipastoril e parceiros. O curso, que já vai para seu oitavo módulo, está capacitando técnicos de todas as regiões de Mato Grosso para levarem novas tecnologias para o campo. Como parte das atividades, os participantes aplicam os conhecimentos adquiridos em uma propriedade que assistem, as chamadas URTs.

Os resultados alcançados por Irineu Fath exemplificam os primeiros frutos deste trabalho de transferência de tecnologia. Antes desacreditado com a produção leiteira, ele viu uma oportunidade de mudança com a assistência do zootecnista Aguinaldo Manhezzo Jr.

De acordo com Aguinaldo, inicialmente foi feito um diagnóstico da propriedade de 12 hectares, no qual se verificou quais os principais gargalos e qual a meta do produtor. Na sequência começaram as modificações, que englobaram tanto características físicas quanto sanitárias do rebanho e da ordenha. Uma delas foi a redivisão dos pastos. Os três que existiam anteriormente passaram a ser 16 piquetes de 90m x 52m, separados por cerca elétrica. Após correção do solo, alguns deles foram reformados, diversificando as espécies forrageiras. 

“Antes eu só tinha três piquetões. Só largava as vacas lá e nem adubava. Agora piqueteamos e reformamos um pedaço. A outra parte nós adubamos em janeiro. Faço a rotação de animais a cada dois dias. Melhorou 100%”, analisa o produtor.

Outra modificação ocorreu na nutrição dos animais. A área com cana na propriedade foi ampliada e, com o plantio consorciado de milho e capim, foram feitas 35 toneladas de silagem. Com estas medidas, a produção da propriedade dobrou, sem que aumentasse a quantidade de animais. A produtividade média passou de 9 para quase 14 litros/dia por animal em lactação.

“Antes eu não chegava a 60 a 70 litros na época da seca. Este ano conseguimos manter a média em 170 litros, mesma quantidade do período de chuvas. Mas em época de chuva eu quero chegar em 200 litros, folgado”, vislumbra Irineu.

Além de aumentar a produtividade, o produtor já vê oportunidade de aumentar e melhorar seu rebanho. Outro passo será o sombreamento dos piquetes com o plantio de árvores.

“Na época do sol quente as holandesas sofriam muito. Aí tinha que soltar de um piquete que tivesse mais sombra para elas poderem ficar embaixo. Se nem a gente consegue ficar embaixo do sol quente, imagina um animal desse aí? Tem que sombrear”, afirma.

Para o zootecnista Aguinaldo, o conhecimento adquirido na Capacitação Continuada tem sido essencial para poder levar a informação ao produtor. Além disso, os resultados vistos no campo são um estimulante para aprender cada vez mais.

“Como profissional formado há 30 anos, eu nunca tive uma satisfação tão grande como essa. Não tem dinheiro no mundo que pague você ver o sorriso do produtor, quando você chega e passa informação para ele”, afirma.


URTs

Assim como na propriedade de Irineu Fath, outras 30 Unidades de Referência Tecnológica de pecuária leiteira estão em processo de instalação em Mato Grosso pelos técnicos participantes da Capacitação. Este locais são utilizados por eles como ferramenta de trabalho e vitrine, onde podem mostrar as tecnologias aos colegas e aos demais produtores que assiste.

Além disso, as dúvidas e problemas que surgem no dia-a-dia destas URTs e em outras propriedades alimentam o programa da Capacitação.

“No último módulo fizemos um dia da programação só sobre pastagem, assunto que já havíamos abordado anteriormente. Por que voltamos em pastagem? Demanda dos técnicos. Quando eles levaram o conhecimento adquirido para a prática, tiveram algumas dificuldades. Agora eles voltaram com as dúvidas. E esse “leva e traz” é o que alimentará a continuidade da capacitação”, explica o analista de transferência de tecnologia da Embrapa Agrossilvipastoril e coordenador do processo, Orlando Lúcio de Oliveira Júnior.


Módulo 8
O oitavo módulo da Capacitação Continuada de Técnicos da Cadeia Produtiva do Leite foi realizado de 27 a 29 de novembro, na Embrapa Agrossilvipastoril, em Sinop (MT). Participam agentes da assistência técnica e extensão rural de cooperativas, da Empaer, do Senar , autônomos e de prefeituras de todo o Estado.


 


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »