01/06/2012 às 10h46min - Atualizada em 01/06/2012 às 10h46min

Embrapa inicia diagnóstico de suas coleções de microrganismos

Embrapa Agroenergia

A Embrapa – Empresa Brasileira de pesquisa Agropecuária começa a desenvolver, em 2012, um projeto inovador que será determinante para garantir a qualidade das coleções de microrganismos mantidas pela Empresa e torná-las aptas a atender às exigências do mercado nacional e internacional. 

O projeto, intitulado “Modelo Corporativo de Gestão para as Coleções de Microrganismos da Embrapa– Gestcol”, é liderado pela Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, uma das 47 unidades da Embrapa, e tem duração de três anos. 

Os objetivos são grandiosos, como explica a líder do Projeto e pesquisadora da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, Clarissa Silva Pires de Castro. Além de realizar o diagnóstico de 17 coleções de microrganismos da Embrapa, visa também adequá-las às normas de qualidade internacionais: Abnt ISO Guia 34, Abnt NBR ISO/IEC 17025:2005 e Oecd Best Practice Guidelines for Biological Resource Centres. 

O cumprimento dessas normas é fundamental para que as coleções alcancem níveis de excelência e atendam a normas nacionais e internacionais, regulamentações de biossegurança, acessibilidade e harmonização dos procedimentos e processos. 

O Projeto será desenvolvido em rede e conta com a participação de 17 Unidades da Embrapa – Recursos Genéticos e Biotecnologia (Brasília, DF); Milho e Sorgo (Sete Lagoas, MG); Uva e Vinho (Bento Gonçalves, RS); Suínos e Aves (Concórdia, SC); Soja (Londrina, PR); Gado de Leite (Juiz de Fora, MG); Hortaliças (Brasília, DF); Cerrados (Brasília, DF); Meio Ambiente (Jaguariúna, SP); Agroenergia (Brasília, DF); Arroz e Feijão (Goiânia, GO); Agropecuária Oeste (Dourados, MS); Agrobiologia (Seropédica, RJ); Agroindústria de Alimentos (Rio de Janeiro, RJ); Agroindústria Tropical (Fortaleza, CE); Caprinos (Sobral, CE) e Clima Temperado (Pelotas, RS) – além de instituições parceiras no Brasil e no exterior. 

Como parceiros no Brasil, a Embrapa atuará junto ao Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) e ao Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) para avaliar e desenvolver o modelo de acreditação (adequação às normas técnicas) das coleções microbianas no Brasil. 

Metodologia utilizada é a de Benchmarking 
A metodologia utilizada no Gestcol será a de Benchmarking, baseada na busca constante das melhores práticas que conduzem ao desempenho superior. 

Essa metodologia positiva e proativa se baseia na comparação do desempenho entre dois ou mais sistemas e, por isso, o Projeto prevê visitas a coleções de microrganismos. No Brasil, serão visitadas as coleções da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), consideradas modelos nas áreas de saúde e meio ambiente, respectivamente. 

No exterior, serão visitadas as coleções do Instituto DSMZ de Leibniz, na Alemanha; BCCM (Belgian Co-ordinated Collections of Micro-organism) na Bélgica; CBS (Centraalbureau voor Schimmelcultures Baar), em Delft, Holanda; e o Instituto Pasteur, na França. 

Coleções microbianas têm diversas aplicações na pesquisa agropecuária e na indústria 
A Embrapa investe na formação de coleções de microrganismos (fungos, bactérias e vírus) desde a sua criação em 1973. Hoje, essas coleções estão distribuídas por todo o Território Nacional em diversas unidades de pesquisa da Empresa e preservam microrganismos de funcionalidades diversas, incluindo espécies relacionadas ao controle biológico de pragas, fertilidade do solo, de interesse industrial e causadores de doenças em animais e vegetais, entre outras. 

A organização e a estruturação das coleções microbianas sem um padrão de gestão pode levar a perda de muitos microrganismos, tornando-os inviáveis para utilização em prol da agricultura e da indústria. Além disso, o atendimento às normas de qualidade nacionais e internacionais é fundamental para que a Embrapa possa realizar intercâmbio com instituições públicas e privadas. 

Por isso, é fundamental realizar um diagnóstico de como as coleções de microrganismos da Embrapa se encontram hoje em relação às normas utilizadas pelo Inmetro e órgãos internacionais para atestar a competência técnica dos laboratórios detentores de coleções microbianas. “Esse diagnóstico será feito com base em visitas às 17 coleções da Embrapa no período de abril de 2012 a outubro de 2013. O objetivo principal é avaliar o nível de adequação das coleções microbianas com relação às normas ABNT ISO Guia 34, Abnt NBR ISO/IEC 17025:2005 e Oecd Best Practice Guidelines for Biological Resource Centres”, explica a líder do Projeto. 

As duas primeiras coleções visitadas foram as da Embrapa Milho e Sorgo e da Embrapa Uva e Vinho, nos meses de abril e maio de 2012. As equipes responsáveis pelas avaliações estão trabalhando na elaboração dos relatórios. 

“A coleta de dados é o primeiro passo. Depois, trabalharemos na definição, implementação e monitoramento do modelo corporativo de gestão para as coleções de microrganismos da Embrapa, que é o objetivo final do Gestcol”, complementa Clarissa. 

Centros de recursos biológicos, coleções institucionais e coleções de trabalho 
As coleções microbianas são classificadas em três grupos distintos dentro do Gestcol: os Centros de Recursos Biológicos (CRB), institucionais e de trabalho. 

Os CRBs têm como função principal: preservar e fornecer recursos biológicos (com qualidade assegurada) para P&D e aplicações nos setores científicos, industriais, de agronegócios, ambiente e saúde; desenvolver P&D sobre os recursos biológicos mantidos e conservar a biodiversidade. Mas, para se tornar um CRB, a coleção tem que atender às normas de acreditação do Inmetro e dos demais órgãos. 

As coleções institucionais são aquelas que atendem a várias pesquisas e instituições e a requisitos mínimos. Essas coleções atuam como fiéis depositárias e possuem curadores responsáveis, podendo executar atividades práticas de coleta de amostras, isolamento, identificação, caracterização, prospecção, armazenamento e documentação. 

As coleções de trabalho são aquelas que atendem a um ou a mais projetos de pesquisa e a requisitos mínimos. Geralmente, estão vinculadas a projetos específicos e a uma ou mais coleções institucionais e possuem pesquisadores responsáveis, podendo executar atividades práticas de coleta de amostras, isolamento, identificação, caracterização, prospecção, armazenamento e documentação. 

O Brasil está empenhado em implementar uma rede de CRBs, sendo o da saúde na Fiocruz, o de meio ambiente na Unicamp e o de agronegócios na Embrapa. 

Segundo a pesquisadora, a Embrapa conta hoje com quatro candidatos a CRBs nas seguintes Unidades: Recursos Genéticos e Biotecnologia; Soja; Agrobiologia e Meio Ambiente. 

Manual de organização para as coleções 
Além do modelo corporativo de gestão, o Gestcol vai resultar na produção de: um manual de organização para as coleções de microrganismos da Embrapa; um banco de competências no tema de gestão de coleções de microrganismos; 80 procedimentos harmonizados (técnicos, de equipamentos e gerenciais); 80 registros harmonizados (equipamentos, pessoal, condições ambientais, experimentos, de qualidade) e quatro planos de negócios para CRBs. 

“Assim, as coleções de microrganismos da Embrapa terão processos harmonizados e estarão estruturadas de acordo com as exigências nacionais e internacionais, incluindo os aspectos da legislação, que englobam as atividades de coleta e acesso ao patrimônio genético”, constata Clarissa. 

É também meta do Projeto promover a capacitação dos recursos humanos envolvidos com as coleções nas normas de gestão de coleções e no sistema de informação de microrganismos.


 


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »