12/05/2012 às 10h15min - Atualizada em 12/05/2012 às 10h15min

Emater incentiva bacia leiteira de Rurópolis

Governo do Pará

Desde o ano passado, 121 famílias pecuaristas de Rurópolis, no oeste paraense, estão sendo apoiadas pelo escritório local da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater) para a melhoria do modelo de produção leiteira, por meio de diagnósticos socioeconômicos e ambientais, inseminação artificial com material genético superior, instalação de cercas elétricas, investimento em infraestrutura que propicie o bem-estar animal, aperfeiçoamento das técnicas de ordenha, agroindustrialização e crédito rural. 

As ações têm o contexto de uma chamada pública do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), cujo contrato a Emater assumiu com o objetivo de estruturar a bacia leiteira na região. Concentrando um rebanho de mais de três mil cabeças, os produtores representam dez comunidades do município – que, embora já localize uma cooperativa de beneficiamento de leite (a Cooperativa Agroleiteira da Transamazônica – Coopetra, constituída em 2005, com o intermédio da Emater), ainda tem uma agricultura familiar muito restrita à bovinocultura de corte. 

“Incentivar a pecuária leiteira em Rurópolis é importante porque, além de garantir alimento diário para as famílias, pode suprir um mercado onde anda faltando matéria-prima, que é o de derivados lácteos”, diz o técnico em agropecuária da Emater, Raimundo Francisco Barroso. Apenas a Coopetra, por exemplo, ainda trabalha com metade da quantidade de leite, cinco mil litros em média, que sua agroindústria tem capacidade para processar por dia, simplesmente porque não tem de quem comprar a produção. 

A ideia da Emater é também desenvolver estratégias de compensação ecológica quanto ao desmatamento provocado pela pecuária, a partir da adoção de sistemas agrosilvopastoris. De acordo com estimativas da Empresa, praticamente todas as propriedades familiares de Rurópolis têm mais de 50% de zona desmatada. 

Com a parceria do Instituto de Desenvolvimento Florestal do Estado do Pará (Ideflor), a Emater vem buscando alternativas de replantio de essências florestais e frutíferas em áreas de pasto. “O sol a pino faz cair o potencial de produção do gado leiteiro até pela metade, porque estressa e esgota os animais. É necessário sombreamento no pasto”, explica Barroso. Dentro do projeto da Emater, estão previstos outros eventos para este semestre, como um Dia de Campo e a instalação de uma unidade de observação.


 


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »