18/12/2011 às 16h41min - Atualizada em 18/12/2011 às 16h41min

BRF focará novas aquisições no mercado nacional de laticínios em 2012

A BRF Brasil Foods deve focar a estratégia de aquisições no mercado nacional de laticínios. A empresa também pretende em 2012 expandir as operações em países emergentes da América Latina, África e Oriente Médio. O anúncio foi feito nesta terça, dia 13, em São Paulo (SP). Segundo o vice-presidente de Assuntos Corporativos da companhia, Wilson Mello, 2011 termina sem que a empresa se regularize junto ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Para que a fusão entre Sadia e Perdigão seja autorizada, o órgão pediu que a companhia reduzisse a participacao de mercado em alguns segmentos. A partir de então, a BRF vem se desfazendo de ativos. No início deste mês, foi anunciada a última operação necessária para esta regularização – a troca de ativos com a Marfrig.

– Na semana passada, assinamos um memorando de entendimento com a Marfrig. É o passo inicial que culminará com a troca de ativos entre a BRF, cedendo os ativos que estão relacionados no acordo com o Cade e recebendo ativos na Argentina, no Brasil e algum valor em dinheiro – explica.

Com este impedimento de expansão no mercado de carnes, a empresa deve focar suas aquisições na área de laticínios. Segundo o presidente da BRF, José Antônio Fay, a empresa, que já é proprietária das marcas Batavo e Elegê, deve incorporar novas marcas ao seu portfólio em 2012.

– Como nós temos hoje limitações pelo Cade de aquisições na área de carnes, já fizemos duas aquisições e damos um certo foco no negócio de lácteos. Estão, estamos trabalhando a categoria de queijos e iogurtes como principal foco – diz.

A empresa confirmou a construção de uma fábrica em Barra do Piraí, no Rio de Janeiro, com investimento de R$ 70 milhões e capacidade para produzir 15 milhões de litros de leite por mês. Outra ação da empresa será o aumento da presença em mercados emergentes. Na Argentina, por exemplo, a previsão é dobrar a produção de aves.

– O que iniciamos a partir de 2011 foi uma presença de operação também e não só uma presença comercial. Trabalhamos em planejamentos de cinco anos e fizemos esse planejamento no ano passado. Estávamos aguardando essas decisões do Cade para poder implementar mais rapidamente o plano. E, no mercado externo, nosso foco é o emergente – afirma.

Segundo executivos da BRF, a crise econômica internacional deve impactar pouco na demanda por alimentos. Eles também apontam que o consumo no mercado interno deve ficar firme.

– Alimento tem uma característica de sofrer menos em momentos de crise, por ser um item de primeira necessidade. Mas, no mercado interno, nós estamos confiantes e acreditamos que essa crise, apesar de ser relevante, trará pouco impacto à nossa indústria, que cresce ano a ano e sempre acima do Produto Interno Bruto – declara Mello.
 


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »