01/12/2011 às 16h05min - Atualizada em 01/12/2011 às 16h05min

Assentado amplia seis vezes sua renda com produção de leite

MDA

Depois de trabalhar 25 anos como meeiro e bóia-fria, o agricultor Ronaldo Brito do Santos, 47 anos, do assentamento Divisa, em Ituiutaba (MG), agora reúne condições de dar à sua família a vida digna que sonhava.

A renda de um salário mínimo que recebia para trabalhar para os outros é hoje de cerca de R$3 mil com a produção de leite.

Assentado pelo Incra em 1999, Santos comemora as conquistas na profissão que escolheu. “Eu trabalhei muito tempo na terra dos outros, se não fosse a oportunidade que tive com a Reforma Agrária, eu nunca teria condições de ter minha própria terra e cuidar da minha família como faço”. Suas duas filhas cursam o ensino superior na Universidade Federal de Uberlândia (UFU). “Elas querem ser professoras, mas espero que continuem o projeto de vida que começamos aqui”, deseja ele.

A produção diária de 250 litros de leite é armazenada em tanque de resfriamento de mil litros adquirido por ele. Santos juntou-se a outros seis produtores do assentamento Divisa e, assim, conseguiram garantir preço melhor para o litro de leite, antes em R$0,15. Hoje, eles vendem a produção para uma cooperativa em Campina Verde (MG) por R$0,88/litro.

Apesar de trabalhar anteriormente em culturas de cana-de-açúcar e abacaxi, Santos resolveu se dedicar à criação de gado leiteiro. “A terra no assentamento é boa, mas a produção de leite dá mais segurança por variar menos que a agricultura”, explica.

Há nove anos, ele acessou o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), quando adquiriu nove novilhas. Atualmente ele possui 33 vacas leiteiras e terminou de pagar o crédito do Pronaf em 2010. “Agora, eu pretendo melhorar a pastagem e dobrar a produção de leite” planeja. 

 


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »