05/10/2011 às 14h10min - Atualizada em 05/10/2011 às 14h10min

Ação da Emater melhora qualidade do leite e beneficia produtores rurais de Paiva - MG

Governo de Minas Gerais

O trabalho desenvolvido pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG), em parceria com a Prefeitura e a Associação dos Produtores Rurais de Paiva (Asprup), vem melhorando a qualidade do leite local, desde 2008, e garantindo renda aos produtores e jovens rurais do município. 

Um grande passo, que hoje está gerando excelentes resultados, foi a implantação de um tanque de resfriamento há pouco mais de cinco meses, na comunidade de Paiva Reis, onde foi construído um abrigo para armazenar de forma segura o leite, beneficiando 34 famílias de produtores da localidade e da comunidade de Santa Tereza. 

A iniciativa, segundo o extensionista agropecuário Wellerson da Fonseca, foi viabilizada pela Emater-MG com recursos do Minas Sem Fome, por meio do Projeto Vitrine Jovem, do Transformar, projeto maior da empresa, que capacita filhos e filhas de agricultores. Entre os impactos positivos na atividade leiteira, desenvolvida pelas famílias e seus jovens, Fonseca aponta a economia nos custos de produção. “O tempo entre a ordenha e a refrigeração passou para menos de duas horas, o que evita a perda da produção do dia. E o caminhão que antes era fretado, e gerava despesas, não é mais necessário, pois o caminhão do laticínio comprador passou a buscar o produto na própria comunidade, onde ele fica armazenado”, conta. 

Ainda de acordo Wellerson, todos os dias algum produtor dessas comunidades perdia o leite, que ficava ácido e impróprio para venda antes mesmo de chegar à associação. “Com a inauguração do tanque, ninguém mais perdeu o produto”, garante. Outro benefício foi a oferta de um leite de melhor qualidade. “Antes, o leite era misturado na cidade com os demais e, devido à baixa qualidade, acabava piorando os outros, o que não acontece mais”, afirma o extensionista da Emater-MG. 

Segundo Fonseca, as parcerias para viabilizar a iniciativa foram muito importantes. Além de implantar o tanque, a Emater-MG vem realizando junto aos produtores um trabalho de assistência técnica com análises laboratoriais do leite, reuniões, palestras e dias de campo, o que fez com que o leite reduzisse as taxas de bactérias, melhorando o produto. A prefeitura construiu o abrigo para o tanque coletor e a Asprup faz a gestão do empreendimento. 

Os produtores beneficiados utilizam a unidade de resfriamento de leite em sistema de associativismo, sendo representados pela associação de produtores. Com a melhoria da qualidade, acabando com as perdas e diminuindo os custos de transporte, esses produtores chegam a receber hoje R$ 0,04 a mais pelo litro, que varia entre R$ 0,80 a R$ 0,84, dependendo do tipo de transporte utilizado até a entrega do leite no local do tanque. 

Wellerson Fonseca destaca que, desde a elaboração do projeto, os produtores se mostraram animados com a proposta de refrigerar o leite produzido nas comunidades, pois eles sabiam dos ganhos provenientes da diminuição do custo com transporte e da melhoria na qualidade do leite, prevendo aumento na renda de cada uma das famílias. “O trabalho é lento, de educação e mudança de cultura. A inserção de tecnologias no campo nem sempre é fácil, mas aos poucos temos conseguido avanços importantes”, conclui. 

Funcionamento do tanque 
O tanque tem a função de resfriar o leite de 36ºC para 4ºC no máximo, em duas horas pós ordenha, para conservar o leite até que o laticínio faça a coleta. O recebimento do leite na unidade de resfriamento do Paiva Reis tem início às 8h e termina às 10h30. A unidade recebe em torno de 1.300 litros/dia dos 34 produtores na época da seca, e 1.800 litros/dia na época das águas.


 


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »