09/02/2017 às 11h22min - Atualizada em 09/02/2017 às 11h22min

Ano mais estável para o Setor lácteo Europeu

Lácteos/UE – A expectativa é de que o mercado de laticínios europeus seja um pouco mais equilibrado em 2017, com melhora da estabilidade em relação aos dois últimos anos. No entanto, para que isso aconteça, é essencial um forte desempenho nas exportações.

Esta é a visão resultante do encontro da Eucolait que analisou as expectativas em relação à produção de leite e demanda de produtos lácteos. A previsão é de que a oferta fique abaixo dos níveis do ano anterior na maioria dos países exportadores na primeira metade de 2017, com possibilidade de algum crescimento no segundo semestre do ano. Preços elevados são tidos como estimuladores do aumento da produção, mas, na União Europeia (UE), isto pode ser limitado pela redução no número de vacas em decorrência do regulamento sobre os padrões dos níveis de fosfato na Holanda.

A oferta procedente da Oceania também está limitada no primeiro semestre, à medida que se aproxima do final da temporada. Isto será agravado pelos desafios que surgiram com as condições climáticas adversas. A produção na UE permanecem abaixo dos níveis do ano anterior, embora caminhe para os picos sazonais. Nos Estados Unidos (EUA) o crescimento continua, estimulado pela melhoria de rentabilidade e margens estáveis. A demanda por queijo e manteiga continuará forte através de 2017, com o consumo per capita crescendo na UE.

Foi consenso durante a reunião que os estoques atuais de queijo e manteiga são relativamente baixos, e que junto com produções menores, deverão proporcionar um mercado mais equilibrado do que o que foi visto nos dois anos anteriores. A previsão é de crescimento da produção de queijo no âmbito da UE, e a desvalorização do Euro ajudará a manter as exportações. Embora parte desta produção seja consumida no mercado doméstico através da elevação do consumo per capita, o acesso às vendas externas serão fundamentais para manter o equilíbrio do mercado.

A produção de manteiga também deverá aumentar na UE, mas os estoques são considerados relativamente baixos. É provável que toda produção adicional seja direcionada para atender à demanda interna, não criando excedentes exportáveis, mantendo o mercado firme. O risco é que com os preços elevados a indústria de alimentos substitua a manteiga por óleos vegetais. A perspectiva do leite em pó desnatado (SMP) é mais complicada. Os elevados estoques e a expectativa de crescimento da produção de manteiga, aumentará a oferta do SMP. Não existe previsão de que a produção supere a de 2016, no entanto, sem grandes exportações, os estoques de SMP não irão reduzir.

Ao nível mundial, é provável que haja menor exportação procedente da Nova Zelândia, uma vez que o leite estará sendo destinado à produção de leite em pó integral (WMP), com maior valor agregado. Por outro lado, o aumento da produção nos EUA pode fazer crescer as exportações de SMP. Ao nível global a demanda de SMP continua crescendo, ajudando a manter o mercado. Entretanto, os preços estarão condicionados aos estoques elevados. De um modo geral, o desempenho das exportações é um fator determinante para a estabilidade dos mercados da UE. Como tal, o impacto da instabilidade política, moedas fracas, preços do petróleo historicamente baixos, e políticas comerciais de regiões importadoras terão papéis cruciais no desenvolvimento dos mercados.

 

Fonte: Canal Terra Viva

 


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »