30/08/2014 às 09h24min - Atualizada em 30/08/2014 às 09h24min

Nutrição animal é foco de capacitação para agricultores familiares

Embrapa Clima Temperado

A região da Colônia Osório, no 3º distrito de Pelotas, tem tradição na produção de aspargos, já tendo conquistado o posto de maior produtora nacional da hortaliça. Hoje em dia, os aspargos abriram espaço para uma série de outras culturas e a produção leiteira – atividade que serve para completar a renda de boa parte dos agricultores familiares da região de Pelotas. Na Colônia, a propriedade de Rita Neitzke sediou o Curso de Capacitação em Produção de Leite, para sanar as maiores dúvidas dos produtores.

O evento foi desenvolvido de forma dinâmica, uma conversa. As pessoas puderam tirar suas dúvidas e fazer suas observações, considerando que a programação do Curso foi construída especialmente para atender suas demandas. Através de uma Chamada Pública de Sustentabilidade, da Emater/RS-Ascar, cerca de 400 famílias estão com suas atividades assistidas pelos próximos três anos; com esse acompanhamento é possível observar as necessidades da região e identificar suas dificuldades.

A programação do Curso de Capacitação em Produção de Leite tratou das principais dificuldades: a dieta e forrageiras, temas fundamentais para quem produz leite, pois interferem diretamente na nutrição animal. A alimentação deve ser pensada para manter o gado com energia e também para garantir sua produtividade. "É preciso conhecer as dimensões do processo", explica Daiane Iribarrem, da Emater-Ascar/RS.

Já o planejamento de forrageiras é o cálculo feito para definir o quanto deve ser plantado de pastagens para manutenção dos animais. Para ser realizado é preciso conhecer o rebanho, identificar épocas críticas, estimativa de peso dos animais e, com esses valores, criar prospecções de plantio.

Durante a tarde, o analista da Embrapa Clima Temperado, Sergio Bender, ministrou um curso sobre Multiplicação de Forrageiras Perenes. A variedade utilizada para o curso foi a BRS Kurumi, um capim-elefante anão. A cultivar foi feita na Embrapa, através de melhoramento genético, e tem alto potencial produtivo, porte baixo, alta proporção de folhas e é adaptada as condições climáticas da região Sul do Brasil.

O Curso de Capacitação em Produção de leite foi promovido pela Emater-Ascar/RS, em parceria com a Embrapa e teve como apoiadores a Prefeitura Municipal de Pelotas, o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) e Associação dos Trabalhadores Agrários de Pelotas.

Negócio
Aos 49 anos de idade, dois filhos e uma neta de dois anos – que é o orgulho da vovó – Rita Neitzke se diz realizada com a vida que leva. Vida essa que a surpreendeu em alguns momentos, algumas fatalidades a levaram a se dedicar e tocar sozinha um dos negócios da família, uma Leitaria. 

"Viver do leite é difícil", explica ela. Rita conta somente com os lucros obtidos através de suas vendas. Ela possui 28 vacas leiteiras em sua propriedade atualmente, conseguindo uma média de 8,5 mil litros de leite mensais, que revende para uma empresa da região. Rita nunca parou de se qualificar: exibe na parede de sua leitaria o certificado de um curso de inseminação artificial que fez há cerca de quatro anos e que foi muito útil para seu negócio, ela mesma insemina seus animais. Destaca a simplicidade de seu negócio, explicando que é pequeno, mas não esconde a satisfação em ter alcançado suas metas. "Me orgulho de como consegui batalhar e fazer tudo isso", fala.

Ela recebeu todos os participantes do curso em sua propriedade, cheia de cuidados com seus visitantes, para que sintam-se à vontade. "Estou sempre de portas abertas para quem quiser chegar", diz. 

 


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »