26/04/2017 às 10h02min - Atualizada em 26/04/2017 às 10h02min

Análise eletrônica da qualidade do leite fica mais ágil no Paraná

O controle de qualidade do leite produzido no Paraná ganha mais capacidade e agilidade com a aquisição de uma analisadora eletrônica de leite, um equipamento, recém-adquirido pela Associação Paranaense de Criadores de Bovinos de Raça Holandesa, com o apoio da Secretaria da Agricultura e Abastecimento, e que começou a funcionar nesta semana.

Monitoramento - Segundo o secretário de Agricultura, Norberto Ortigara, o monitoramento da matéria-prima é fundamental para dar maior garantia ao processamento dos produtos lácteos, assim como também para o leite in natura. O Paraná é hoje exportador destes produtos e os compradores exigem este monitoramento. “A máquina inaugurada nesta semana vai tornar mais acessível a análise do leite aos produtores, ampliando o controle do produto em todo o Estado”, comenta.

Moderna - Para José Augusto Horts, gerente do Programa de Análise de Rebanho Leiteiro do Paraná, da Associação de Criadores, a máquina recém-adquirida é uma das mais modernas do mundo e identifica de uma só vez vários índices da composição do leite. “O apoio da Seab para aquisição foi imprescindível para alcançarmos este avanço”. O investimento foi de R$ 1,5 milhão, e a Secretaria participou com R$ 490 mil.

Composição - A nova máquina tem capacidade para fazer 600 análises de leite por hora e identifica o índice de gordura, de proteína, de lactose, de sólidos, de ureia, de caseína, além contagem de células somáticas. Este último exame é o que faz o monitoramento da sanidade de glândula mamário do animal.

Amostras - Segundo Horts os exames são feitos tanto em amostras de animais individuais como amostras de leite em conjunto. “Estes exames são importantes, pois com estas informações é possível determinar o rendimento industrial do leite, e outros fatores o maior tempo de vida na prateleira, além de maior segurança no consumo”, informa.

Atendimento - O laboratório da associação atende produtores de leite de todo o Paraná, independente da raça do animal. São feitos mensalmente 200 mil exames, sendo 60 mil de análise de leite individual e o restante de amostra de tanque. São feitas também as análises da produção do Programa Leite das Crianças, do Governo do Paraná.

Relevância - A produção de leite segue em constante expansão no Estado, que é o segundo maior produtor do País, ultrapassando o Rio Grande do Sul, que ocupava essa posição até 2014. A informação é do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No período de dez anos, entre 2005 a 2014, o acréscimo foi de 76%, segundo dados do Deral/Seab.

Fatos conjunturais - Segundo o médico veterinário do Deral, Fábio Mezzadri, fatos conjunturais como aumento da demanda mundial, consumo interno aquecido, demanda constante pelas indústrias, programas de apoio à produção e boas condições ambientais para o desenvolvimento da atividade favoreceram o crescimento do setor.

Apoio - “Neste contexto, toda nova tecnologia, como esta nova máquina, é importante para apoiar o produtor, pois a atividade leiteira é uma das únicas presentes em todo o Estado e tem forte apelo social, pois é desenvolvida em grande parte por mão de obra familiar”, analisa.

Produtividade - A região sudoeste do Paraná cresceu muito em produtividade nos últimos anos de acordo com o IBGE e se destaca entre as bacias leiteiras paranaenses. Dos 20 maiores produtores nacionais, cinco são paranaenses, ficando Castro novamente em primeiro lugar com aproximadamente 240 milhões de litros produzidos.

Fonte: Agência de Notícias do Paraná


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »