17/11/2013 às 08h21min - Atualizada em 17/11/2013 às 08h21min

Iogurtes e Bebidas Lácteas

Definição - Entende-se por Leites Fermentados os produtos adicionados ou não de outras substâncias alimentícias, obtidas por coagulação e diminuição do pH do leite, ou leite reconstituído, adicionado ou não de outros produtos lácteos, por fermentação láctica mediante ação de cultivos de microrganismos específicos Estes microrganismos específicos devem ser viáveis, ativos e abundantes no produto final durante seu prazo de validade.

 

1.1.1- Iogurte, Yogur ou Yoghurt

 

Entende-se pôr Iogurte, Yogur ou Yoghurt, daqui em diante Iogurte, o produto incluído na definição acima descrita, cuja fermentação se realiza com cultivos proto-simbióticos de Streptococcus salivarius subsp. Thermophillus e Lactobacillus delbrueckii subsp. Bulgaricus aos quais pode-se acompanhar, de forma complementar, outras bactérias ácido-lácticas que, por sua atividade, contribuem para a determinação das características do produto final.

 

1.1.2- Leite Fermentado ou Cultivado

 

Entende-se por Leite Fermentado ou Cultivado o produto incluído na definição 3.1, cuja fermentação se realiza com um ou vários dos seguintes cultivos: Lactobacillus acidophilus; Lactobacillus casei ; Bifidobacterium sp; Streptococcus salivarius subsp thermophilus e/ou outras bactérias acidolácticas que por sua atividade contribuem para a determinação das características do produto final.

 

1.1.3- Leite acidófilo ou acidofilado

 

Entende-se por Leite acidófilo ou acifilado o produto incluído na definição 3.1, cuja fermentação se realiza exclusivamente com cultivos de Lactobacillus acidophilus.

 

1.2- CLASSIFICAÇÃO SEGUNDO A LEGISLAÇÃO

 

1.2.1- De acordo com o conteúdo de matéria gorda, os leites fermentados se classificam em 

1.2.1.1- Com creme: aqueles cuja base láctea tenha um conteúdo de matéria gorda mínima de 6,0 g/100 g.

 

1.2.1.2- Integrais ou enteros: aqueles cuja base láctea tenha um conteúdo de matéria gorda mínimo de 3,0 g/100g.

 

1.2.1.3- Parcialmente desnatados: aqueles cuja base láctea tenha um conteúdo de matéria gorda máximo de 2,9 g/100g.

 

1.2.1.4- Desnatados: aqueles cuja base láctea tenha um conteúdo de matéria gorda máximo de 0,5 g/100g.

 

1.2.2- Quando em sua elaboração tenham sido adicionados ingredientes opcionais não lácteos, antes, durante ou depois da fermentação , até um máximo de 30 % m/m, se classificam como leites fermentados com adições.

 

1.2.2.1- No caso em que os ingredientes opcionais sejam exclusivamente açúcares, acompanhados ou não de glicídios (exceto polissacarídeos e polialcoóis) e/ou amidos modificados e/ou maltodextrinas e/ou se adicionam substâncias aromatizantes/saborizantes, se classificam como leites fermentados com açúcar, açucarados ou adoçados e/ou aromatizados/saborizados

 

1.3- COMPOSIÇÃO E REQUISITOS

 

1.3.1- Ingredientes obrigatórios

 

Leite e/ou leite reconstituído em seu conteúdo de gordura

 

Cultivo de bactérias lácticas e/ou cultivo de bactérias lácticas específicas , segundo corresponda as definições estabelecidas em 1.1.1, 1.1.2 e 1.1.3.

 

1.3.2- Ingredientes opcionais

 

Leite concentrado, creme, manteiga, gordura anidra de leite butteroil, leite em pó, caseinatos alimentícios, proteínas lácteas, outros sólidos de origem láctea, soros lácteos, concentrados de soros lácteos.

 

Frutas em forma de pedaços, polpa(s), suco(s) e outros preparados à base de frutas.

 

Maltodextrinas

 

Outras substâncias alimentícias tais como: mel, coco, cereais, vegetais, frutas secas, chocolate, especiarias, café, outras, sós ou combinadas.

 

Açúcares e/ou glicídios ( exceto polialcoóis e polissacarídeos )

 

Cultivos de bactérias lácticas subsidiárias.

 

Amidos ou amidos modificados em uma proporção máxima de 1% (m/m) do produto final.

 

Os ingredientes opcionais não lácteos, sós ou combinados deverão estar presentes em uma proporção máxima de 30% (m/m) de produto final.

 

1.3.3- Características sensoriais

 

Aspecto: consistência firme, pastosa, semi-sólida ou líquida 

 

Cor: branca ou de acordo com a(s) substância(s) alimentícia(s) e/ou corantes adicionado(s).

 

Odor e sabor: característico ou de acordo com a(s) substância(s) alimentícia(s) e/ou substância(s)

 

1.3.4- Características físico-químicas

 

Os leites fermentados deverão cumprir com os requisitos físico-químicos indicados na tabela 1.

 

TABELA 1: Características físico-química de leites fermentados

 

PRODUTO                  Matéria gorda láctea (g/100g) Norma FIL      Acidez (g de ácido láctico/100g)    Proteínas lácteas

 

Com creme                                Min. 6,0                                                                         0,6 a 2,0                                    Min. 2,9

 

Integral                                        3,0 a 5,9                                                                        0,6 a 2,0                                   Min. 2,9

 

Parcialmente desnatado         0,6 a 2,9                                                                       0,6 a 2,0                                    Min. 2,9

 

Desnatado                                 Max. 0,5                                                                         0,6 a 2,0                                    Min. 2,9

 

(*) Os leites fermentados com agregados , açucarados e/ou saborizados poderão ter conteúdo de matéria gorda e proteínas inferiores, não devendo reduzir-se a uma proporção maior do que a porcentagem de substâncias alimentícias não lácteas, açúcares acompanhados de glicídios (exceto polissacarídeos e polialcoóis) e/ou amidos modificados e/ou maltdextrina e/ou

 

aromatizante / saborizante adicionados.

 

Ainda dentro das características físico-químicas os leites fermentados considerados no regulamento em questão deverão cumprir, em particular os requisitos apresentados na tabela 2.

 

TABELA 2: Outras características físico-químicas de alguns leites fermentados

 

PRODUTO                   Acidez g.de ácido láctico (100g) Norma FIL 150: 1991                      Etanol (% v/m)

 

Iogurte                                                                 0,6 a 1,5                                                                           -

 

Leite cultivado ou

 

fermentado                                                         0.6 a 2,0                                                                          -

 

Leite acidófilo ou

 

acidofilado                                                          0,6 a 2,0                                                                          -

 

1.3.5- Característica microbiológica ou contagem de microrganismos específicos

 

A tabela 3 apresenta as características que os diversos leites fermentados deverão apresentar durante seu prazo de validade

 

TABELA 3: Contagem de microrganismos específicos

 

PRODUTO                   Contagem de bactérias lácticas totais (ufc/g )               Contagem de leveduras específicas (ufc/g) 

 

   Iogurte                                                     Min. 107 (*)                                                                                       -

 

Leite cultivado ou fermentado               Min. 106 (*)                                                                                       -

 

Leite acidófilo ou acidofilado                Min. 107 (*)                                                                                        -

 

(*) No caso em que se mencione o uso de bifidobactérias, a contagem será de no mínimo 106 UFC

 

de Bifidobactérias /g.

 

2 TECNOLOGIA PARA PRODUÇÃO DE IOGURTES

 

2.1- PRINCIPAÍS MATÉRIAS PRIMAS

 

2.1.1 - LEITE

 

“Leite é o produto íntegro da ordenha completa e ininterrupta de uma fêmea leiteira sã, bem alimentada e não fatigada, recolhido higienicamente e sem conter colostro”

 

2.1.1.1- COMPOSIÇÃO FÍSICO-QUÍMICA NORMAL DO LEITE

 

A) Características principais

 

DENSIDADE: 1028 a1033 g/l

 

PONTO DE CONGELAMENTO: -0,530 a -0,550oH  

PH: 6,6 a 6,7

 

ACIDEZ DORNIC: 15 a 18o D

 

B) Constituintes

 

AGUA:  87 a 88 %

 

GORDURA:  3,2 a 3,8 %

 

LACTOSE: 4,8 a 5,0 %

 

PROTEÍNAS:  3,2 a 3,5 %

 

SAIS:  0,8 a 1,0 %

 

E.S.D (Extrato Seco Desengordurado ) mínimo 8,5 %

 

2.1.1.2- QUALIDADE DO LEITE

 

A qualidade do produto final está intimamente ligada a qualidade da matéria prima. Por mais avançada que seja a tecnologia empregada no processo , nunca se conseguirá fabricar um produto de boa qualidade a partir de matéria prima deficiente. Portanto; os cuidados para a produção de um leite higiênico são de vital importância. Diversos pontos devem ser observados. São fatores que afetam a qualidade do leite: instalações; pessoal; utensílios; conservação (refrigeração), sanidade do animal, alimentação do gado, mamite, contagem de células somáticas (c.c.s) e uso de antibióticos.

 

O leite contém não só microrganismos que já possuía ao sair do úbere da vaca, mas também os procedentes de contaminações do meio ambiente (manuseio). Quase todos os microrganismos podem se desenvolver bem no leite, que é um excelente meio de cultivo. Entre eles temos mofos, leveduras e principalmente bactérias.

 

As bactérias podem fazer parte da flora normal do leite, sendo chamadas de bactérias lácticas, ou então estar presentes no leite, principalmente se a ordenha não for higiênica.

 

2.1.13- ALGUNS DEFEITOS DO LEITE QUE IMPEDEM O USO NA FABRICAÇÃO DE IOGURTES

 

A) Acidez alta: causada por contaminação inicial elevada do leite e conservação inadequada, falta de resfriamento. O leite ácido não pode ser pasteurizado; uma vez que irá precipitar ao ser aquecido.

 

B) Coagulação do leite estando gelado/sabor amargo: Causadas por bactérias psicrofílicas, que se desenvolvem a baixas temperaturas. Este problema pode ocorrer principalmente quando o leite fica estocado por um período superior à 24 horas. O sabor amargo persiste ao tratamento térmico, prejudicando o sabor final do iogurte.

 

C) Sabor de ranço, oxidação: pode ocorrer em leite de final de lactação, leite com alto teor de gordura, ou com alta contaminação por bactérias lipolíticas, que degradam a gordura. O sabor de ranço persiste a pasteurização, prejudicando o sabor do produto final.

 

D) Leite salgado, odor desagradável, gomoso: leite proveniente de gado com mamite, impróprio para consumo humano, só utilizar o leite após curar a enfermidade do gado.

 

E) Leite com baixa acidez: leite suspeito de fraude por aguagem, ou proveniente de gado com mamite. O leite fraudado pode alterar a consistência do produto final.

 

F) Leite com resíduos de antibióticos, pesticidas e sanitizantes: o leite provenientes de animais em tratamento com antibióticos não deve ser utilizado na elaboração de produtos fermentados. O leite não acidifica, ocorre que os resíduos de antibióticos, pesticidas ou sanitizantes inibem às bactérias lácticas adicionadas.

 

2.1.2- AÇÚCARES

 

A sacarose é o açúcar mais empregado na fabricação de iogurte. Este pode ser adicionado diretamente ao leite ou, no caso de iogurte batido com polpa de frutas, ser adicionado juntamente com a polpa na forma de geleia. No caso da adição de açúcar ao leite, este deve ser misturado ao leite em pó desnatado e adicionado ao leite antes do tratamento térmico, uma vez que o mesmo apresenta maior solubilidade a altas temperaturas. Além disto, o tratamento térmico permite destruir os microrganismos, presentes no açúcar, principalmente leveduras, as quais podem provocar estufamento da embalagem durante a vida de prateleira do produto.

 

A quantidade utilizada depende do gosto do mercado, em geral é adicionado na faixa de 5 a 12 % em relação ao volume de leite. Acima de 12 % pode ocorrer a inibição das culturas lácticas do iogurte devido ao efeito osmofilico. A quantidade de açúcar a ser adicionada, depende da concentração de açúcar presente na polpa ou suco da fruta e da doçura estabelecida para o

 

produto final.

 

A adição de adoçantes ao leite é normalmente aplicada na fabricação de leites fermentados light ou diet em quantidades mínimas estabelecidas pela legislação. Os adoçantes mais utilizados em leites fermentados são : sacarina, aspartame, ciclamato, estévia e sorbitol.

 

2.1.3- LEITE EM PÓ DESNATADO

 

A adição de leite em pó desnatado é efetuada com a proposta de aumentar o conteúdo de extrato seco desengordurado (E.S.D) do leite, visando aumentar a capacidade de retenção de água das proteínas, prevenindo assim o problema da sinerese (separação da água do coágulo), além de aumentar a consistência do produto final. Geralmente o leite em pó desnatado é adicionado antes do tratamento térmico em uma proporção que varia de 1 a 3 %.

 

2.1.4- PREPARADOS A BASE DE POLPAS DE FRUTAS RITTER

 

A adição do Preparado à base de Polpa de Frutas é feita após a fermentação, caracterizando um ponto crítico de controle. Por esse motivo é fundamental a escolha de um preparado de qualidade garantida, caso contrário os riscos de problemas de contaminação são muito altos.

 

Os Preparados à Base de Polpas de Fruta Ritter são elaborados seguindo rigorosos padrões de higiene e utilizando matérias-primas selecionadas garantindo um produto final livre de contaminações e com o mais alto padrão de qualidade. Após o processo de produção os Preparados Ritter são submetidos à análise completa , para assegurar o padrão e a qualidade do

 

produto ao cliente.

 

A Ritter dispõe de uma completa estrutura de laboratório com uma equipe técnica altamente capacitada, sob a direção de uma engenheira química responsável. Estes recursos são sofisticados e muito poucas empresas do ramo os possuem.

 

Os Preparados à base de polpas de frutas podem ser adicionados aos iogurtes de várias formas: com pedaços de frutas de vários tamanhos, sem pedaços de frutas, com ou sem sementes, coloridos com corantes naturais ou artificiais, aromatizados, com cereais ou outros ingredientes como fibras. As características físico-químicas como brix, ph e viscosidade podem variar conforme as especificações de cada cliente.

 

Geralmente são dosados à proporção de 4 a 5 % para que haja uma quantidade mínima aceitável de fruta no produto final.

 

As diferenças no padrão de qualidade dos preparados bem como a quantidade do preparado adicionado à base são diretamente perceptíveis nos produtos finais, despertando a preferência do consumidor para uma ou outra marca de iogurte.

 

Os produtos finais (iogurtes) de alta qualidade são tidos como os que apresentam alto teor de fruta, principalmente aqueles em que os pedaços são facilmente visíveis. A adição de preparados em proporções menores do que 4% na base podem comprometer a qualidade final do iogurte.

 

Note-se que a questão envolvida na fabricação de um produto mais rico em fruta é essencialmente a de diferenciação de mercado. É comum que produtos populares sejam elaborados com baixos percentuais de preparados de fruta e estes por sua vez com baixos percentuais de fruta . O resultado é que a falta de diferenciação acaba levando a concorrência exclusivamente para a questão de preço, o que freqüentemente tem abreviado a vida dos produtos no mercado. Por outro lado, produtos mais ricos conquistam boa reputação no mercado e a fidelidade dos consumidores, sendo geralmente vendidos a preços que proporcionam melhor rentabilidade em comparação com os populares.

 

Os preparados tem ainda a função de conferir mais consistência ao iogurte ou bebida Láctea, pois em sua composição contém espessantes que conferem mais corpo e viscosidade auxiliando na manutenção da dispersão das proteínas excercendo uma função importante contribuindo para evitar a separação de fases. Os espessantes mais tipicamente utilizados são: goma-guar, cmc (caboxi metil celulose), amidos e pectinas. Também está contido no preparado o conservador sorbato de potássio, que entra como aditivo incidental no iogurte e tem a função de conter o desenvolvimento de bolores e leveduras.

 

Ao utilizar um preparado Ritter em seu produto, uma série de ingredientes já estão combinados em uma única formulação, conferindo uma série de vantagens e refletindo diretamente na redução de custos. Dentre as vantagens mais significativas do uso de preparados, podem ser consideradas: fabricação de produtos com maior qualidade e valor agregado; simplificação dos processos de fabricação (vários ingredientes estão contidos em um só); redução do manuseio, medições e controles (ingredientes como corantes e aromas são caros e requerem manuseio sofisticado, sendo comum que a adição direta ocorra com grandes margens de erro o que pode condenar o produto final ou distorcer totalmente o padrão do iogurte) redução do número de ingredientes estocados, reduzindo custos e controles de estoque; fabricação de produtos com padrão constante (a tolerância para erros na dosagem de aplicação dos preparados na base do iogurte é bem maior do que se os ingredientes fossem aplicados individualmente); redução de esforços de desenvolvimento de produtos (o produtor de iogurte/produtos lácteos apenas encomenda o preparado de acordo com o perfil de produto desejado e o desenvolvimento fica por conta da Ritter)

 

Outras variações de preparados:

 

- geléias especiais para iogurtes duas camadas (a camada de frutas fica separada da base, no fundo do pote)

 

- preparados light (permitem obter alta redução calórica no produto final)

 

- preparados para leite UHT com sabor e produtos tipo “vitaminas”

 

- mix de frutas (ou preparados tipo saladas de frutas – onde várias polpas de diferentes frutas são combinadas)

 

2.1.5- CULTURAS LÁCTICAS

 

São microrganismos selecionados que se empregam na indústria de laticínios para a elaboração de queijos, iogurtes e outros produtos fermentados.

 

Estes microrganismos possuem uma temperatura ótima de crescimentos de 40 a 45o C (microrganismos térmofilos) e um pH de entre 5,0 e 5,7. No processo de fabricação de iogurtes temos dois microrganismos ou bactérias lácticas que atuam em simbiose ou associação. Encontramos nos iogurtes o Streptococcus salivarius subsp. termhóphilus e o Lactobacillus

 

delbrueckii subsp. bulgáricus.

 

As principais funções das culturas lácticas na fabricação de leites fermentados são : produção de ácido láctico a partir da lactose do leite e a produção de compostos aromáticos como, diacetil, acetaldeído, acetoína, etanol e em alguns casos como no kefir a produção de gás carbônico.

 

2.1.6- OUTRAS MATÉRIAS PRIMAS

 

Estabilizantes: são substâncias que apresentam uma grande variedade de aplicações na industria de alimentos, em especial em produtos de laticínios que tem como principais funções:

 

- aumentar a capacidade de retenção de água do gel 

- evitar a sedimentação de partículas de componentes de formulação do produto, através da formação de uma rede microscópica que aprisiona essas partículas

 

- formar géis bastante estáveis por ligações com as proteínas e sais dos sistema

 

- prevenir o problema da sinerese em leites fermentados

 

- melhorar as características sensoriais do produto final, tornando-o mais consistente e mais encorpado.

 

São por tanto, substâncias que favorecem a manutenção das características físicas de emulsões e suspensões, gerando produtos de melhor qualidade. Os estabilizantes utilizados na fabricação de leites fermentados devem apresentar as seguintes propriedades: alto grau de pureza microbiológico, sabor neutro, para não mascarar o sabor e o aroma das frutas, ser facilmente

 

solúvel em água e em leite, alta capacidade de retenção de água, proporcionar consistência e viscosidade desejadas com adição de pequenas quantidades, estabilidade em pH ácido e não apresentar cor.

 

Entre os principais estabilizantes encontramos:

 

- goma guar

 

- goma alfarroba (jataí)

 

- ácido algínico e alginatos

 

- ágar – ágar

 

- musgo irlandês (carragena)

 

- goma xantana

 

- pectinas

 

- carboximetilcelulose (C.M.C)

 

- celulose microscristalina

 

3 – ETAPAS DA ELABORAÇÃO DE IOGURTES

 

3.1 – TRATAMENTO TÉRMICO

 

Consiste em aquecer já pasteurizado a uma temperatura que pode variar de 85 a 90oC, por um tempo que varia entre 5 a 15 minutos. A finalidade deste tratamento é a destruição de 100% dos microrganismos patogênicos, destruição da grande parte da flora banal, reduzindo à competição durante a fermentação, como também garantir condições higiênico-sanitárias adequadas.

 

3.2 – PADRONIZAÇÃO DO EXTRATO SECO DESENGORDURADO (E.S.D)

 

Consiste geralmente em adicionar leite em pó desnatado ao leite que está sendo utilizado a finalidade é de aumentar o teor de sólidos do leite e com isso aumentar a capacidade de retenção de água das proteínas do leite, prevenindo o problema da sinerese, além de aumentar a consistência do produto final.

 

3.3 – ADIÇÃO DE AÇÚCARES E OUTROS INGREDIENTES

 

Adicionamos o açúcar e outros ingredientes (estabilizantes) antes do tratamento térmico para garantir a destruição de microrganismos que eventualmente possam estar presentes neles

 

3.4 – ADIÇÃO DE CULTURA LÁCTEA

 

Após o tratamento térmico, o leite com os outros ingredientes, deverá ser resfriado a uma temperatura entre 38 a 40o C, sendo adicionado as culturas próprias do iogurte, preparadas anteriormente.

 

3.5 – INCUBAÇÃO

 

Após a adição das culturas lácteas, realiza-se uma homogeneização com o objetivo de distribuir os microrganismo no leite e levamos a estufa a uma temperatura que pode variar entre 40 a 45o C, por um tempo de 3 a 5 horas, para que ocorra a fermentação.

 

3.6 – RESFRIAMENTO

 

A função do resfriamento e inibir rapidamente o crescimento da cultura láctea, visando prevenir a elevada produção de ácido lácteo e também a separação da água. O resfriamento dos iogurtes  podem ser feitos em câmaras frias ou túneis de resfriamento, ou no próprio tanque onde foi efetuada a coagulação.

 

3.7- ADIÇÃO DE PREPARADO A BASE DE POLPA DE FRUTAS

 

O tratamento mecânico da quebra do coágulo para adição do Preparado a base de polpa de frutas representa uma fase importante no processo de fabricação do iogurte. A quebra do gel é um processo físico. Entretanto, algumas mudanças químicas podem ocorrer simultaneamente. O grau de quebra do gel depende do tipo de iogurte. No caso de iogurte batido, as partículas do gel possuem um diâmetro que variam de 0,01 – 0.4 mm, em quanto no iogurte líquido, as partículas

 

apresentam um diâmetro ao redor de 0,01 mm, sendo o limite visível com relação ao tamanho das partículas entre 0,1- 0,001 mm ( 0,1 mm visível/0,01 mm invisível).

 

A quebra do coágulo é uma etapa que deve ser bem controlada . Pois uma agitação excessiva durante esta etapa, pode levar a defeitos de consistência e viscosidade, com formação de duas fases, pela separação do soro da rede protéica. É sabido que o gel logo após a coagulação e com temperaturas próxima a 42 – 43o C, apresenta-se bastante frágil. Em virtude deste fato, é

 

recomendado fazer-se a quebra do gel em temperaturas próximas a 5 – 7o C, visando preservar a estrutura do gel. Normalmente, após a quebra e homogeneização do gel deixa-se em repouso a 4o C. por alguns minutos para restabelecer a firmeza.


 
Conservas Ritter S.A.
 
Av. Frederico Augusto Ritter, 2700 - Granja Esperança - Cachoeirinha - RS
 
Fones: (51) 470-3800 / (51) 470-6011 - Caixa Postal: 1019 - Cep: 94.930-000

 

 




Autor: Técnicos Conservas Ritter S/A

Referências bibliográficas: 

TAMIME, A. Y; ROBINSON, R. K. Yogur, ciencia y tecnologia. Editora Acribia. Zaragoza. España. 1991.
RAPACCI, M ;Apostila do VI Encontro Regional Sul de Ciência e Tecnologia de Alimentos. Leites
Fermentados. Agosto 1999.
TENCHINI DE MACEDO, N.L.; Apostila Tecnologia de Fabricação de Leites Fermentados. Instituto
de Laticínios Cândido Tostes. Novembro 2000
INDUSTRIA DE LATICINIOS. Nova legislação de produtos lácteos e de alimentos pra fins
especiais. Fonte Comunicações e Editora. São Paulo. 1998.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »