06/07/2014 às 14h43min - Atualizada em 06/07/2014 às 14h43min

Minas Gerais supera meta estabelecida para vacinação contra febre aftosa, diz IMA

Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA)

Minas Gerais, através do Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), atingiu a meta estabelecida pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), de vacinar 95% do rebanho mineiro de bovinos e bubalinos contra a febre aftosa.

A etapa envolveu 23.633.117 animais vacináveis em 359.661 propriedades. No total, foram vacinados 22.718.579 bovídeos de todas as idades, o que representa 96,1%.

Os produtores rurais tiveram até o dia 10 de junho para comprovar, nas unidades do IMA de seus municípios, a imunização de seus animais. A campanha obteve uma boa adesão dos produtores que têm na pecuária o seu sustento, demonstrando a importância da participação efetiva na vacinação semestral. No entanto, este índice ainda deve aumentar, tendo em vista que alguns produtores entregam a declaração fora do prazo definido pelo Mapa.

Para o diretor-geral do IMA, Altino Rodrigues Neto, é necessário que os produtores mineiros e de todo o país continuem aderindo as campanhas de imunização, que são fundamentais para erradicar e prevenir doenças de grande impacto econômico como a febre aftosa. “No estado, a participação dos produtores é crucial para manter Minas como área livre com vacinação contra doença, o que valoriza e fortalece ainda mais a nossa pecuária”, comenta.

Prevenção
O Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa (Pnefa) tem como estratégia principal a implementação progressiva e manutenção de zonas livres da doença, de acordo com as diretrizes estabelecidas pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE).

O Brasil, sob a coordenação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e com a participação efetiva dos serviços veterinários estaduais, no caso do IMA em Minas Gerais, e do setor produtivo, segue na luta contra a doença em busca de um país livre da doença.

 


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »