22/07/2013 às 12h38min - Atualizada em 22/07/2013 às 12h38min

leite orgânico produzido durante projeto de pesquisa ganhará o mercado

ABCZ

A partir do próximo mês de agosto, o Projeto de Produção de Leite Orgânico de Zebu, desenvolvido na Fazu (Faculdades Associadas de Uberaba), entra em uma nova fase. O leite produzido pelas matrizes zebuínas participantes do projeto começará a ser processado e pasteurizado no Núcleo de Excelência em Engenharia de Alimentos (Neea), no próprio campus da Fazu e, posteriormente, comercializado em padarias e lojas de produtos naturais de Uberaba/MG.

O projeto está sendo desenvolvido com 13 matrizes da raça gir. Nesta semana, o projeto passou a contar também com a participação de três vacas da raça indubrasil, todas elas já participantes do Controle Leiteiro Oficial da ABCZ. “A produção média é de 100 litros de leite por dia. E é justamente este leite que começaremos a processar no Núcleo de Engenharia de Alimentos da Fazu para disponibilizar ao mercado consumidor. O leite orgânico pasteurizado é um produto diferenciado, uma vez que as vacas que produzem o leite são criadas em um sistema natural, onde recebem apenas alimentação orgânica, e quando necessário, recebem tratamento com fitoterápicos e homeopatia”, explica a coordenadora do projeto, Luana Barros.

Sobre o Projeto
O projeto de Produção de Leite Orgânico de Zebu teve início em 2011, graças à parceria estabelecida entre a Fazu, ABCZ e o pecuarista José Henrique Fugazzola Barros e sua filha Luana Barros. Além de ceder os animais que participam da pesquisa, o pecuarista apoiou a construção do curral e da sala de ordenha que abrigam os animais. A construção da sala de ordenha e curral foi orientada pelo professor do curso de Zootecnia da Fazu, Alexandre Bizinoto, visando, principalmente, o bem estar dos animais.

Para o projeto foram separadas pastagens com boa qualidade e construção de cercas nos piquetes, além da delimitação das áreas de agricultura e reforma de pasto. O solo de parte da fazenda escola da Fazu foi preparado para plantio de sorgo para silagem, cana de açúcar, capineira, mandioca, barreira de defesa sanitária (café), horto de plantas medicinais, horta e espécies frutíferas.

O objetivo do projeto é estimular, aprimorar e incrementar o desenvolvimento de pesquisa, experimentação, ensino e difusão de tecnologias do sistema de produção de leite orgânico com raças zebuínas.

As fêmeas zebuínas participantes do projeto são alimentadas e manejadas conforme as determinações da legislação para produção de leite orgânico no país. Em um sistema de produção de leite orgânico, além do manejo dos animais ser feito sem a utilização de antibióticos, hormônios, vermífugos, promotores de crescimento, estimulantes de apetite, uréia e demais aditivos, o pecuarista deve estar compromissado com a preservação ambiental e, ainda, proporcionar adequadas condições de trabalho aos seus empregados.

Além de ser referência no assunto, o projeto é também uma excelente oportunidade para que os alunos dos cursos de Agronomia, Zootecnia e Engenharia de Alimentos da faculdade tenham acesso à novas formas de produção, especialmente aquelas que privilegiem a sustentabilidade da atividade e da propriedade rural e ainda que gerem mais renda ao produtor.

 


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »