01/03/2017 às 07h42min - Atualizada em 01/03/2017 às 07h42min

Bactérias do bem: saiba tudo sobre os probióticos e suas funções vitais

Globo Esporte
Guilherme Renke

iStock Photo

Microrganismos ajudam no equilíbrio da flora intestinal, sistema imunológico e combatem alergias alimentares. Kefir, tipo deles, inibe efeito de bactérias maléficas.

Nós possuímos mais bactérias em nosso corpo do que células próprias. Essa afirmação pode gerar uma enorme preocupação se pensarmos nas bactérias como sinônimo de doença. Mas, felizmente, os avanços da ciência mostram exatamente o contrário: há uma íntima relação positiva das bactérias que habitam nosso corpo com a saúde do nosso organismo. A microbiota intestinal, ou flora intestinal, é a maior comunidade de bactérias que habitam nosso organismo e tem o poder de influenciar a nossa saúde, o nosso peso, o nosso humor ou até a nossa resposta imune. Iorgurtes (se os micro-organismos forem adicionados ao alimento no processo de fabricação), kefir, coalhada, leite fermentado, chucrute (conserva de repolho fermentado), missô, pepino, alguns queijos e molho de soja são alguns alimentos que contêm probióticos, muitas vezes consumidos via suplementação.

Arte ilustra ação probiótica no organismo (Foto: iStock Photo)Arte ilustra ação probiótica no organismo (Foto: iStock Photo)

Com essa explosão de interesse no assunto “microbiota intestinal“, podemos encontrar nas prateleiras de supermercados e nas farmácias uma enorme variedade de produtos probióticos (produtos que contêm bactérias e leveduras vivas) que afirmam ser capazes de influenciar nosso microbioma intestinal para melhor. Mas será que isso é realmente possível?

 + Avanço da reposição hormonal pode favorecer mulheres na menopausa 

QUAL A ORIGEM DOS PROBIÓTICOS?

Os produtos lácteos fermentados têm sido associados há muito tempo com a capacidade de conferir benefícios à saúde naqueles que os consomem regularmente, foi Ellie Metchnikoff que em 1908 fez a primeira teorização do impacto desses alimentos sobre a microbiota bacteriana do intestino.

 Os probióticos podem ser consumidos em alimentos que contêm estes micro-organismos em grandes quantidades ou serem feitos na forma de suplementos
Guilherme Renke

De fato, muitos dos alimentos que contêm probióticos aparecem na forma de produtos lácteos fermentados, como os iogurtes e o kefir. Os probióticos são micro-organismos vivos que, quando administrados em quantidades adequadas, conferem um benefício para a saúde ao hospedeiro conforme mostram vários estudos. Os probióticos podem ser consumidos em alimentos que contêm estes micro-organismos em grandes quantidades ou serem feitos na forma de suplementos que são constituídos por esses organismos vivos.

COMO OS PROBIÓTICOS AGEM EM NOSSO ORGANISMO?

Alimentos ricos em probióticos (Foto: iStock Photo)Alimentos ricos em probióticos (Foto: iStock Photo)

Uma das principais formas pelas quais probióticos podem exercer efeitos benéficos está em alterar a microbiota intestinal. Isto pode ser feito através da introdução de novas espécies no trato gastrointestinal ou promovendo o crescimento de bactérias benéficas já existentes.

Alguns estudos mostram que o consumo dos probióticos está associado um aumento de cepas bacterianas consideradas benéficas, como os Lactobacillus e o Bifidobacterium, enquanto que simultaneamente diminui espécies prejudiciais como o  Clostridium perfringens.

consumo dos probióticos também foi capaz de reduzir a gravidade da infecção por Giardia intestinalis através da modulação do sistema imunológico. Além disso, demonstrou-se que os probióticos inibem a aderência de bactérias prejudiciais como a Salmonella typhimurium e a Escherichia coli. Em geral, os estudos utilizando probióticos descobriram que há uma mudança de uma resposta imune inata para uma resposta imune adaptativa, bem como aumentos nos níveis de Imunoglobilinas A (IgA) que se relacionam com uma melhor tolerância imunológica.

+ Jejum intermitente: dieta pode ativar genes da perda de peso e longevidade

QUAIS OS BENEFÍCIOS DOS PROBIÓTICOS PARA DOENÇAS ALÉRGICAS E AUTOIMUNES?

As doenças alérgicas vêm crescendo nos países desenvolvidos há décadas, levando a uma maior incidência de doenças como asma e alergias alimentares. Muitas alergias, especialmente as relacionadas com alimentos, são desenvolvidas precocemente, com a maioria das alergias alimentares se desenvolvendo nos primeiros 2 anos de vida.

 Trabalhos recentes demonstram que um fator cada vez mais importante para determinar se uma criança irá desenvolver uma doença alérgica, seja alergia alimentar ou asma, é o nível de complexidade e organismos específicos presentes na microbiota intestinal
Guilherme Renke

Embora a maioria das alergias alimentares desenvolvidas precocemente na vida não persistam, algumas podem tornar-se condições permanentes. Trabalhos recentes demonstraram que um fator cada vez mais importante para determinar se uma criança irá desenvolver uma doença alérgica, seja alergia alimentar ou asma, é o nível de complexidade e os organismos específicos presentes na microbiota intestinal.

Níveis mais elevados de lactobacillus (L. acidophilus, L. delbrueckii e L. helveticus) no intestino dos lactentes têm sido associados a uma menor incidência de doença alérgica na vida adulta.

A suplementação com Bifidobacterium, por sua vez,demonstrou influenciar a microbiota intestinal de recém-nascidos em desmame, reduzindo os níveis de Bacteroides, o que tem sido associada com menor incidência de alergia alimentar. 

O QUE É O KEFIR E QUAIS SEUS BENEFÍCIOS?

Embora não tão popular quanto outros produtos lácteos fermentados (como iogurte e o queijo), o kefir tem seus benefícios amplamente estudados e associados à saúde. Presente originalmente em comunidades das montanhas caucasianas, foi descoberto no segundo milênio antes de Cristo, o que significa que este é o método de fermentação mais antigo que existe. Uma das características que distinguem o kefir de muitos outros produtos lácteos fermentados é a exigência da presença do grão de kefir para fermentação.

Kefir: rico em probióticos (Foto: iStock Photo)Kefir: rico em probióticos (Foto: iStock Photo)

Os grãos de kefir são uma colônia de microrganismos simbióticos imersa em uma matriz composta de polissacarídeos e proteínas. Diferentemente do iogurte que é fermentado apenas por lactobacilos, o kefir exige temperaturas mais baixas e é fermentado por mais de quarenta tipos diferentes de micro-organismos em sua colônia, incluindo as leveduras. A preparação dessa colônia rica é tradicionalmente feita com leite de vaca, mas pode ser preparada com leite de cabra, ovelha, de fonte vegetal ou até mesmo com água.

Devido à microbiota altamente complexa do kefir, existe uma multiplicidade de organismos e produtos metabólicos presentes no leite fermentado. Esta combinação de organismos microbianos vivos e metabólitos contribui para uma vasta gama de efeitos atribuídos ao kefir, muitos dos quais são benéficos para a saúde. Tem sido demonstrado que os grãos de Kefir são capazes de reduzir os níveis de lactose do leite através do processo de fermentação e também em reduzir os níveis de colesterol presentes em até 84% após 24h de fermentação.

Substância presente no vinho pode ajudar a tratar doença em mulheres

CUIDADOS, VANTAGENS E DESVANTAGENS DO KEFIR

Segundo a nutricionista Luna Azevedo durante a preparação do kefir a higiene é fundamental. Reserve os utensílios usados na preparação do grão apenas para essa finalidade. Ele na água pode ter contaminação por fungo se o açúcar mascavo não for corretamente armazenado e tiver contato com muita umidade. Não deixe o frasco com os grãos de kefir exposto ao sol. Guarda-o num armário da cozinha e longe de qualquer produto químico. Nunca lave os grãos, lave apenas o frasco, quando fizer as trocas de leite ou água + açúcar. E não use sabão ou detergente, apenas água.

Vantagens: Já foi observado em testes de laboratório que os micro-organismos do kefir têm o poder de inibir os patógenos da Salmonella e do E. Coli (bactérias que causam doenças). Essa colônia possui mais de 40 micro-organismos vivos, sendo muito mais completo do que qualquer produto no mercado liofolizado.

Desvantagens: A manutenção dos grãos durante anos exige que se prepare kefir quase diariamente ou que se tenham alguns cuidados especiais de conservação. O kefir pode ser congelado durante algum tempo, mas tem de ser revitalizado passadas poucas semanas. O kefir de água + açúcar mascavo deve se ter o cuidado de conversação do açúcar pada evitar contaminação e crescimento de fungos. Deve ter-se em conta que o kefir de água não contém a mesma microflora do kefir feito com leite. Apesar dos microorganismos consumirem a lactose (açúcar do leite), quem é intolerante severo pode ainda sentir mal estar.

Vale lembrar que o uso dos probióticos deve ser feito com orientação médica ou do nutricionista. De fato, os micro-organismos vivos possuem extrema importância na nossa saúde e merecem total atenção. Para que permaneçam vivos no trato intestinal, devem ser administrados preferencialmente com pré-bióticos (fibras não digeríveis e usadas de “alimento” para esses seres vivos). Existem versões com pré e probióticos (simbióticos), bem como, é possível receber sua doação de kefir. Tenham sempre a orientação de seu médico e nutricionista para possível indicação de acordo com cada caso.

Referências: 

1 – Altmann S. W., Davis H. R., Jr., Zhu L. J., Yao X., Hoos L. M., Tetzloff G., et al. (2004). Niemann-Pick C1 Like 1 protein is critical for intestinal cholesterol absorption. Science 303 1201–1204. 10.1126/science.1093131 

2 – Angulo L., Lopez E., Lema C. (1993). Microflora present in kefir grains of the Galician region (North-West of Spain). J. Dairy Res. 60 263–267. 10.1017/S002202990002759X 

3 – Assadi M. M., Pourahmad R., Moazami N. (2000). Use of isolated kefir starter cultures in kefir production. World J. Microbiol. Biotechnol. 16 541–543. 10.1023/A:1008939132685

4 – Atalan G., Demirkan I., Yaman H., Cina M. (2003). Effect of topical kefir application on open wound healing on in vivo study. Kafkas Univ. Vet. Fak. Dderg. 9 43–47.

5 – Azad M. B., Konya T., Maughan H., Guttman D. S., Field C. J., Sears M. R., et al. (2013). Infant gut microbiota and the hygiene hypothesis of allergic disease: impact of household pets and siblings on microbiota composition and diversity. Allergy Asthma Clin. Immunol. 9 15 10.1186/1710-1492-9-15

*As informações e opiniões emitidas neste texto são de inteira responsabilidade do autor, não correspondendo, necessariamente, ao ponto de vista do Globoesporte.com / EuAtleta.com

euatleta especialistas Guilherme Renke footer (Foto: EU ATLETA)

GUILHERME RENKE
Médico pela Universidade Estácio de Sá, com pós-graduação em Cardiologia pelo Instituto Nacional de Cardiologia INCL RJ e Endocrinologia pela IPEMED. Membro da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte, Membro do American College of Sports Medicine, Membro da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), Membro do Departamento de Ergometria e Reabilitação da SBC.

http://globoesporte.globo.com/eu-atleta/saude/noticia/2017/02/bacterias-do-bem-saiba-tudo-sobre-os-probioticos-e-suas-funcoes-vitais.html

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

O que mais te agrada no Site Ciência do Leite?

8.3%
52.1%
16.7%
6.2%
16.7%